quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Pelo calçadão da Atlântica

Boa noite queridos. Vou contar um segredinho: detesto caminhar sem rumo, sem objetivo. Para mim caminhada tem que ter um porquê. Para onde vou, onde quero chegar, qual é a meta. Ficar de um lado para outro só para emagrecer, é uma chatice.
Mas, como agora vivo uma nova história, um novo recomeço, aprendi a caminhar por caminhar. Coloco meu Ipod, que tem pelo menos 40 músicas de Barry, e mais 20 variadas e queridíssimas também, e lá vou eu pelo calçadão da Atlântica.( Tem curva mais linda no mundo?).
De uns dias para cá, ganhei uma aliada nestas andanças. Maria Alice, ótima repórter, companheira das noites no Rio e das noites em Nova Iorque, encontra comigo no meio do caminho e lá vamos nós. A festa começa no encontro. As gargalhadas vão do começo ao fim da caminhada. Lembranças de tudo. Falamos de tudo. Rimos de tudo. Ouvimos tudo juntas. E acabamos -exaustas de rir é claro- em um banco ou de preferência em um bar.
Hoje decidi ir sem Alice, senão não vou emagrecer. Tenho que suar. Mas ela fêz a maior falta.
Senão for com farra, alegria, Barry e Alice, o calçadão fica sem brilho.

4 comentários:

Patricya Reis disse...

Amei! Sem comentários! Vale 100 comentários(!!!)
Bjss

eliane disse...

Manda manda. Mas ela tem que entrar no forró.

Rosana disse...

Ahhhhhhhhh, se eu morasse mais pertinho de vc estaria nesta deliciosa caminhada com certezaaaaaaaaa e olha, falou FORRÓ, FALOU COMIGO, RAINHA DOS FORRÓS, viu?
Vamos pegar um forrozim?? É só me dizer onde e quando, lá estareiiiiiiii!!!
Beijins
Menina do Forró tb, kkkkkkkkkkk...

elizabeth disse...

Concordo com a Rosana, se eu tb estive morando perto seria mais uma a me juntar nesta sua caminhada no calçadão da princesinha do mar. Que praaia linda, que astral.