domingo, 17 de agosto de 2008

O rumo da vida em um só instante

A reunião começou com cinco minutos de atraso. A sala estava cheia de pessoas formando pequenos grupos aliados. Ao fundo uma mesa belíssima de frios com café, chá e sucos. Helena olhava tudo ao redor com atenção. De longe viu dois companheiros de trabalho e juntou-se a eles. Mas estava atenta aos acontecimentos que borbulhavam ao redor. Um sinal fêz todos se calarem e se acomodarem pela sala. Diante de Helena estava um rapaz jovem, pele morena, olhos vivos, muito bem vestido. Ela saiba que iria encontrá-lo naquela reunião. Tinha certeza, porque havia sido anunciado.
Ela o conheceu pequeno, rapaz, não assim, determinado, decidido, ágil nas palavras e nas ações. Mas tinha veia para o assunto. Tinha o sangue da família: ambiciosa e ousada.
A reunião aconteceu tranquilamente, sem surpresas. Helena não conseguia se concentrar. Seus pensamentos caminharam através do tempo voando voando. Aqueles olhos, aquela pele, aquele jeito de falar lembrava alguém. Ela sabia.
Helena pensou como a vida dava voltas e voltas e as pessoas acabavam no mesmo lugar, naquele que viveram um dia. E aí as lembranças, mesmo não querendo, invadem o pensamento.
Naquele momento apenas a mesma pergunta a atormentava, a mesma feita ao longo dos anos. E se a decisão de um instante fosse outra, que rumo a vida teria tomado?
Mas a história também não teria um final feliz, ela sabia.
Feliz sim, pensou Helena, seria hoje ter ao seu lado um par de olhos inquietos, aquele jeito agitado, parecido com aquele rapaz em uma só sala.
Absorta em lembranças não viu o jovem se aproximar. Ele sorriu, a beijou e seguiu.
Helena se despediu e foi embora pensando que aquela criança teria os mesmos olhos, a mesma pele, a mesma vivacidade daquele que seria seu tio.

2 comentários:

A vizinha Tetê disse...

Ai Helena...

Eliane disse...

Que tal vizinha...gostou do texto?