segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Todo cuidado é pouco


Bom dia. Podemos viver sem um monte de coisas não é?! Até que elas sejam inventadas. Depois não conseguimos dar um passo sequer e ficamos escravos delas. Neste caso estou falando do celular que mudou a vida da sociedade.
Em 3 de abril de 1973 o pesquisador da Motorola, Martin Cooper, ligou para um telefone fixo diretamente de uma esquina do centro de Nova Iorque, nos Estados Unidos. O aparelho utilizado pesava cerca de um quilo e media 25 cm de comprimento por 7 cm de largura, com uma bateria que se esgotava após 20 minutos de conversa. De lá pra cá a gente sabe o que aconteceu: uma revolução geral na tecnologia dos aparelhos que viciam e à vêzes nos enlouquecem.
Mas o uso continuo dos celulares sempre suscitou dúvidas entre médicos pesquisadores. Entre eles na epidemiologista americana Devra Davis, doutora em estudos científicos pela Universidade de Chicago e mestre em saúde pública pela Johns Hopkins. Ela lançou o livro "Disconnect", sem edição ainda no Brasil, onde fala do risco de radiação e câncer através dos aparelhos. A cientista garante que o perigo é real e devemos mudar a maneira de usar o aparelhinho. Nunca segurar perto da cabeça, usar viva voz. Preferir torpedos e se possível manter o aparelho desligado. A cientista garante que os fabricantes sabem que o celular não é seguro.
Na opinião dela, não podemos tomar uma atitude só depois de provas inconstestáveis de que eles danificavam a saúde.
E agora pessoal? O alerta está aí. Aguardar acontecer é o que todo mundo faz para depois tomar uma atitude. Acho melhor ter cuidado e aceitar as dicas.
Fico aqui pensando, nesta segunda-feira de novembro, como é difícil abrir mão de certas facilidades. Exercício de maturidade saber dosar .
Fiquem com Deus e bom trabalho.

ET: Ilustração do jornal A Folha de São Paulo


19 comentários:

Cecile Az disse...

Bom dia ELiane!
Isso é verdade verdadeira.
Há seis anos eu falei muito no celular durante um dia. Ao final do dia a campainha dele tocava intermitentemente na minha cabeça. Só eu ouvia, rsrs. Tive que tomar analgésico para dormir. E no dia seguinte meu ouvido começou a arder. E muito. A jornada foi longa e história também é. Mas resumindo, até hoje meu ouvido arde se eu falar mais de 3 minutos no celular. Uso o fone de ouvido. daí tudo bem.
Mas eu pesquisei na época e encontrei um estudo alemão de um teste que fizeram com ratos. O celular mudou o dna deles. Pra vc ver o perigo que é.
Meu plano é só de 25 minutos por mês. Uso pouquíssimo. Daqui a alguns anos, talvez umas décadas, devam sair as advertèncias, celular faz mal à saúde, rsrs.
Acho que deviam orientar os consumidores, mas como vendem tanto... é mt dinheiro envolvido.
Enfim... vamos nós fazendo a nossa parte. Boa semana pra ti e pra todos! Beijos.

Vera do sulllll disse...

Bom Dia Eliane e Blog!
Como a Cecile, eu também uso celular só em caso de necessidade. Ele é para mim, só um aparelho de socorro para comunicados e pedidos.
Sei, que a radiação é degenerativa realmente, inclusive a mamografia, que deve ser realiazada uma vez ao ano, provavelmente há uma radiação atraves das ondas e dos componentes.
Belo assunto e alerta. Usemos com parcimônia. Beijos a todos e um especial a vc Lilizinha.

Papoula não gosta de celular disse...

Bom dia queridas, eu para ser mto honesta DETESTOOOOOOOOOOOOO celular mas o mundo hoje faz com que isto se torne um OBJETO DIÁRIO presente em nossas vidas e em alguns poucos momentos ele é extremamente útil massssssss EU mais recebo do que faço ligações e quando faço é VAPT VUPT somente o necessário.
Fico impressionada com a quantidade de pessoas que conheço que conversam mtooooooooooo tempo p tel, acho chatérrimooooo e aquele treco esquenta minha orelhinha, gosto não!
Vamos usar p o essencial e o delicioso bate papo vamos nos encontrar pessoalmente e aí sim, falar muitoooooooooo rs,rs,rs,sr,sr... linda semana para todos!
Acredito piamente nestas pesquisas.

Zélia Guardiano disse...

Importante alerta, querida Eliane!
Conforme sua orientação, vamos nos precaver e não deixar para depois o cuidado que deve ser tomado agora. Depois, pode ser tarde...
Grata, amiga!
Imenso abraço

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Eliane querida,

Fiquei pensando nisso, nas facilidades tecnológicas sem as quais [pensamos] não podemos viver.

Atualmente penso que a única coisa que me faria muita falta é a internet. Gosto de ler, de trocar, de produzir e de conversar com pessoas com as quais não teria chance de fazê-los não fosse por ela.

O celular já me irrita um pouco. [Exceto pelo joguinho "sudoku", no qual sou viciado]. A televisão, mesmo a tv paga, me aborrece pela repetição, pela falta de novidade. Música, ouço mais no carro...

Acho que estou ficando velho... rsrsrs... De qualquer modo, não corro tantos riscos por causa do famigerado celular. Graças a Deus...

Ah, já ia me esquecendo... Postei ontem lá no meu ESPELHO uma crônica e pensei que você pudesse gostar. Você que aprecia os romantismos da vida... Convido-a a ler assim que puder.

Super beijo.

Chica disse...

Òtimas dicas e há pessoas que passam muito tempo de seus dias com eles nos ouvidos...


Cuidado não faz mal à ninguém,né?

beijos,linda semana,chica

Papoula p Agnaldo disse...

Agnaldo querido, eu não consigo mais imaginar minha vida SEM INTERNET de jeito nenhummmmmmmmmmmmmmmmmm, é uma ferramenta incrível que nos dá mil possibilidades e ainda fazer amizades mto especiais.
Isto aqui é tudooooooooo de bom e NÃO TEM EFEITOS COLATERAIS!
bEIJINSSSSSSSSSSSSSS

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Querida,

A postagem a que me referia é "O SONO DO MEU AMOR" (postei-a ontem).

Super beijo.

AGNALDO NO ESPELHO disse...

AGNALDO PARA PAPOULA>>>

Em doses homeopáticas, querida. Em doses homeopáticas... Mas cuidado, que tem alguns efeitos colaterais sim. Tem gente inescrupulosa armando milhares de cafajestagens, crimes, etc.

Muito cuidado, Papoulinha, muito cuidado!

Super beijo.

Eliane Furtado disse...

Olá meus queridíssimos parceiros do dia a dia.
Cecile, Filet de Papoula, Agnaldo o Poeta, Veroca do Sullll, Generosa e sensível Zélia e Chica das lindas histórias infantis.
Ficar sem internet Agnaldo seria mesmo complicadinho.
Mas já fiquei.
Sabe pessoal, quando abro mão de toda tecnologia por causa das hospedagens nos Spas hospilatares -rs- vejo que a gente pode viver sem tudo isto. Quer dizer, só uns dias rsrsrsrsrs

Papoula agradece Agnaldo disse...

Fique tranquilinho pq Dragão Papoula dorme com um olho ABERTO e outro FECHADO, SEMPRE ALERTA rs,sr,sr,sr,sr, lógico que tem gente ruim em tudo q é canto e não poderia ser diferente na internet, não viu o casal e filha que estão presos em Israel?? Loucura mas ainda tem gente que cai nessas furadas, temos mesmo que ter cuidados na internet, beijinssssssss, obrigada pelo toque.

Daniel Savio disse...

No meu caso, eu tenho dois, sendo que considero um mal necessário...

Fique com Deus, menina Eliane Furtado.
Um abraço.

Lulu disse...

Eu resisti muito a ter um celular (meus filhos dizem que sou tecnofóbica... rsrsrsrsrsrs). Mas aí, minha filha foi morar na Nova Zelândia - eu herdei o dela. Meu outro filho também foi 1 ano depois para a NZ - eu herdei o dele. Meu caçula se mudou para Portugal - deixou o dele comigo. Aí não teve jeito: passei a usar. Mas é algo que uso muito pouco, basta dizer que minha conta raramente ultrapassa os R$ 50,00.
Apesar de tudo, não há como negar sua utilidade. Já me quebrou verdadeiros galhos e me salvou de algumas situações meio difíceis.
Assim como a pílula, a reposição hormonal e algumas outras coisas que só manifestam seus efeitos a longo prazo, ainda está longe uma conclusão definitiva. Mas lembremo-nos também que a ciência hoje diz uma coisa, amanhã diz outra: o que faz mal hoje, amanhã faz bem e vice-versa. E eu sempre acabo chegando à conclusão de que a ciência não sabe é nadica de nada.
E o que rola na internet é muito mais alarmismo e terrorismo e milhares de textos apócrifos.
Beijos para todos, tenham uma oótima seguda-feira e uma semana repleta de conquistas.

comunicadoras disse...

Até hoje o celular para mim é uma coisa dispensável; ando com ele na carteira, mas raramente o uso e herdei-o do meu marido; comprou um novo e eu fiquei com o substituído; até me esqueço que o tenho. Acho que já vivemos muito tempo até sem telefone fixo e ninguém morreu; poderíamos é claro passar sem estas novas tecnologias, mas, já que existem, vamos lá começando a aprender a usá-la só para não ficarmos muito desactualizadas. Por execesso de uso de celular de certeza que não adoeço. Detesto ver aquelas pessoas que estão constantemente com o celular na mão; há pessoas que não conseguem sequer desligá-lo no meio de uma aula ou de um espectáculo; na universidade senior que frequento conheço senhoras que não o desligam e de vez em quando lá toca um, o que é tremendamente desagradável. Até nisto se nota a falte de educaç
ão de algumas pessoas.
Um beijinho, Eliane e espero que tenha uma semana tranquila. Até breve
Emília

Eliane Furtado disse...

Boa tarde Lulu, tb resisto muito a tecnologia.
Salve Daniel , de volta! Desembarcou hehehehhehe
Oh Milaaaaaa,mulhr inteligente.
Agora, aqui no Rio, tem uma moda chatérrima algum tempo. A turma do radio. Ficam falando pela rua pra gente ouvir os assuntos, na praia, nos shoppings, nos transportes públicos.
Mas sabe o que eu não gosto mesmo?
Vc entra no táxi, e se o motorista não for muiiiiiiiiito profissional, não desliga o telefone. Atende mulher, filho, cooperativa, papagaio. Dá vontade de pular do carro.

Fatinha in Rio...rsrsrs disse...

Olá !!!Então...celular é um problema!!É tão bom e tão ruim,com a mesma intensidade!!!
Gente eu não entendo, se saio um pouco do sério falando com minhas filhas muito tempo a conta vem de arrazar!!E como esse povo fala taaaaanto!!Senhor!Onde vc entra;taxi, onibus ou metrô,tá o povo falando no cel...uma loucura!Claro que é super útil, mas estão indo muito além disso e nòs sabemos que tudo em excesso faz mal...já já veremos as sequelas por aí
Sem falar na parte social...quanta gente mal educada..!Nada pode ser adiado,esteja onde estiver!Tem que mantê-lo ligado...
Socorro!Tô fora...rsrs
Beijo

Cristina disse...

Eliane
O que mais me deixa preocupada é que os pais de hoje, já presenteiam seus filhos de 8, 9 anos com celular. Quando ando pelas ruas vejo adolescentes com celular como se esse aparelho fosse parte de seus corpos é uma dependência louca. Eu uso somente o necessário, não sou muito fã. Ótimo postagem. É melhor prevenir não é? Uma boa semana para você! Bjssssssssssssss

Silvana disse...

Boa noite Blog, boa noite Lili, caramba que droga adoro celular, mas só uso para falar o necessário, vou mandar este alerta para minha filha que usa muito. Como sempre tudo o que é excesso é ruim. Beijos para todas

Queremos falar de música! Let's Talk about Music! disse...

Bom...eu viverie sem celular porque não fico mandando milhões de mensagens e ligando pra todo mundo...mas devido ao meu trabalho como musicista, tenho que estar com ele quando alguém precisar de mim
Mas muitas vezes ficamsod ependentes, né?

Ótima semana
;*
Marina