quinta-feira, 14 de outubro de 2010

E quem já não se arrependeu?


Estava lendo que o arrependimento é um sentimento nobre e digno. É uma demonstração de caráter e autocrítica e que é preciso coragem para admitir um escorregão, seja ele cometido na vida pessoal ou profissional. Do ponto de vista religioso, o arrependimento pode significar a salvação. No cotidiano, o arrependimento corrói. É preciso ponderar, ter calma e ver que as tolices acontecem, que você é humano. Por trás de alguma asneira, uma palavra fora de hora, um gesto indelicado, há um porquê. Se você for fundo no seu coração vai encontrar uma dor, uma vaidade ou orgulho escondido, talvez uma tristeza que fêz você agir por um impulso errado.
Não sou de me arrepender de nada. Nem mesmo das besteiras que cometi. Elas me pareciam certas naquele momento pontual. Mas, nos últimos tempos, tenho pensado em situações que nos tiram do eixo, desgastam profundamente e não levam a nada. Bobagens que hoje você não faria de novo. Talvez ponderasse melhor. Será?
Em alguns casos, o arrependimento surge quando você enxerga claramente que o que você fêz, plantou ou viveu foi em vão. Este é o ponto. Você só começa a rever tudo quando constata que não valeu à pena. Mas é aí? O que está feito está feito. Não importa o que tenha sido. E você vai ter que ter fibra suficiente para conviver com isto pelo resto da vida. Melhor mesmo esquecer, enterrar e perdoar a si mesmo.
Hoje é quinta-feira, 14, dia do niver de dois queridíssimos. Denise, querida amiga, e meu onco de ouro. Duas certezas na minha vida, onde não cabe nenhum arrependimento por tê-los conhecido e confiar neles. Muitos anos de vida para eles e para nós também, ora! Ks.

14 comentários:

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Eliane querida,

Arrepender-se é uma lição de sabedoria, ao passo que carregar arrependimentos consigo é o mesmo que arrastar correntes pesadíssimas.

A nobreza de arrepender-se está na humildade de confrontar os olhos de quem quer que tenha sido a "vítima" do ato, e abrir o coração para dizer-se errado.

Do contrário, quando o arrependimento é apenas íntimo ou não admite pedido de desculpas, o melhor a fazer é perdoar a si mesmo. Refletir sobre o erro para não tornar a praticá-lo e seguir adiante, caso contrário a ferida nunca fechará.

Mas, olha, bom mesmo é viver sem ter de se arrepender. Quanto às pessoas, pensar antes e colocar um filtro entre cérebro e língua para evitar palavras doídas e que não recuem. Já em relação à vida, é fazer. Fazer para não se arrepender de ter deixado passar a oportunidade (mesmo que de vez em quando se dê com os burros n'água).

Super beijo (sem arrependimentos).

Chica disse...

Daber reconhecer quando erramos e nos arrepender disso é legal e um passo grande .

Que o niver de teus amigos nesse dia de hoje seja muito bom e a felicidade seja pra sempre.

Um beijo pra ti e tenho certeza que não me arrependo de ter dado um cliquue no teu blog há tempos atrás.

Foi ótimo te conhecer. beijos,tudo de bom,chica

Eliane Furtado disse...

Acho que estou carregando uma corrente. Preciso me livrar dela.Mas tb não é nada tão importante. Apenas um mosquitinho.ks.

Eliane Furtado disse...

Ah Chica, tão gentil. Sabe, vc sabe. Manter um blog requer persistência e atenção com seus leitores. Mas mesmo dando trabalho, foi uma maravilha esta idéia. E encontrar todos vcs.
Um acerto a mais na minha vida.

Lulu disse...

Poxa, como sempre o comentário de Agnaldo já diz tudo! Só discordo quando ele diz que "bom mesmo é viver sem ter que se arrepender". Nossa, como deve ser tediosa a pessoa que sempre faz tudo certinho, que nunca mete o pé na jaca, ou que nunca chuta o balde, se são justamente os nossos erros que nos fazem crescer, amadurecer, nos conhecermos e conhecer.. a vida é isso, tentativa e erro. Senão, seria um verdadeiro tédio.
Gosto muito de uma frase do Pedro Nava que diz: "a experiência é um carro com os faróis virados pra trás". Precisamos dos nossos erros, até como contraponto.
Errar faz parte de nosso processo de vida, arrepender-se também, perdoar, ser perdoado e se perdoar também. Aí me vem outra citação: "não perdoar é como tomar veneno e esperar que o outro morra". Infelizmente existe muita gente envenenada pelo rancor, pelo ressentimento, por mágoas enraizadas... é quando me pergunto: como conseguem rezar o Pai-Nosso? Como conseguem dizer "perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido"?
Ah, mais uma citação, mas essa pra mim não está com nada: "amar é não ter jamais que pedir perdão". Lembram? Do Love Story?
Mil beijos, tenham um lindo dia!

Cecile Azambuja disse...

Eliane... vc explicou tão bem esse dilema do arrependimento. É exatamente o que eu sinto.
Acho que falta é perdoarmos a nós mesmos. Não somos perfeitos, não temos obrigação de acertar tudo. Quem disse que tinha que ser assim?
Reconheço que é difícil mas se a gente é generoso com os outros, então por que não o sermos com nós mesmos?
Um beijo beijo.

Zélia Guardiano disse...

Excelente post, Eliane!
Arrependimento é algo a ser muito pensado, muito refletido...
Você foi muito feliz no seu escrito!
Grande abraço, querida!

Eliane Furtado disse...

Será mesmo Zelia? Não era melhor escrever sobre o amor? ks.
Adorei a visita e o carinho.

Eliane Furtado disse...

Lulu, entrevistei Pedro Nava uma vez. Era amigo dos Bloch.
Foi muito interessante. E sua frase tb.

Eliane Furtado disse...

Cecile querida, a gente é tão tão exigente não é mesmo?! Mania de perfeição, não pode errar e nem viajar na maionese. ks.
Um beijo deusa da bondade.

Zel Bengalinha Paulistana disse...

Alô, alô, Sampa chamando Rio!!!!!!
Boa tarde blog!

Eliane, geralmente a gente reflete sobre umas e outras atitudes tomadas, principalmente se a consequência, de alguma forma, machucou outrém. Arrepender-se e desculpar-se é fundamental, nesse caso.
E como não somos perfeitos nem infalíveis, graças a Deus, volta e meia pisamos na maionese... às vezes feio, principalmente com a gente mesmo. Aí poderíamos não ser tão auto-exigentes. Podemos nos arrepender, mas não precisamos sofrer, não é mesmo?
É um peso inútil na nossa vida... mas acredito que a maturidade vai nos deixando mais light.

Felicidades aos aniversariantes de hoje!!!!!!

Beijo e abraço com muito carinho,
Zel

Flor de Lótus disse...

Oi,Eliane!Errar é humano né, e se arrepender também,mas temos mesmo que nos perdoar eu confesso uqe sou meio cabeça dura e as vezes levo muito tempo para me perdoar,mas aos poucos estou mudando isso dentro de mim.
Beijos

comunicadoras disse...

Sabe, Eliane, eu sou uma pessoa muito aberta e frontal; digo sempre o que penso e com o passar dos anos aprendi a ser mais assertiva; continuo a ser sincera mas tendo mais cuidado com o que digo; há maneiras e maneiras de se dizer algo. Não tenho dificuldade nenhuma em reconhecer o erro e de pedir desculpa. Quanto aos meus erros eu costumo dizer que faço o que o meu coração manda; olho para trás e vejo que errei em algumas coisas, mas logo digo a mim mesma: fiz o que o meu coração mandou, o que achava melhor na altura e essa é a minha maneira de me desculpar. Quando fico magoada com alguma coisa que me fazem a primeira atitude que tenho é dirigir-me à pessoa e conversar até que tudo fique resolvido; isto, claro se essa pessoa me interessa e se vale a pena, caso contrário, risco-a da lista e nem me dou ao trabalho de pedir explicações. É assim que ajo, sempre com muita frontalidade e sinceridade com as pessoas e dou muito valor àquelas que fazem o mesmo comigo. Gostei muito da maneira como abordou este tema.Um beijinho, amiga e espero que esteja bem. Muita FORÇA sempre!
Mila

comunicadoras disse...

Sabe, Eliane, eu sou uma pessoa muito aberta e frontal; digo sempre o que penso e com o passar dos anos aprendi a ser mais assertiva; continuo a ser sincera mas tendo mais cuidado com o que digo; há maneiras e maneiras de se dizer algo. Não tenho dificuldade nenhuma em reconhecer o erro e de pedir desculpa. Quanto aos meus erros eu costumo dizer que faço o que o meu coração manda; olho para trás e vejo que errei em algumas coisas, mas logo digo a mim mesma: fiz o que o meu coração mandou, o que achava melhor na altura e essa é a minha maneira de me desculpar. Quando fico magoada com alguma coisa que me fazem a primeira atitude que tenho é dirigir-me à pessoa e conversar até que tudo fique resolvido; isto, claro se essa pessoa me interessa e se vale a pena, caso contrário, risco-a da lista e nem me dou ao trabalho de pedir explicações. É assim que ajo, sempre com muita frontalidade e sinceridade com as pessoas e dou muito valor àquelas que fazem o mesmo comigo. Gostei muito da maneira como abordou este tema.Um beijinho, amiga e espero que esteja bem. Muita FORÇA sempre!
Mila