terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Há que se ter muito cuidado ao falar de amor

Amigos, sei que não é uma frase gloriosa para se encerrar a noite. Mas há que se ter muito zelo ao cuidar do seu amor. Para amar, é sempre necessário se colocar no lugar do outro.
Este foi um dos temas de um dos programas que gravei hoje, ao lado do apresentador Guto Graça, na Metropolitana AM: o amor e os amores que acabam mal como o de Susana e Marcelo. Ainda bem que ela saiu em tempo.
Deixo então uma frase de Érico Veríssimo.
"O amor está mais perto do ódio do que a gente geralmente supõe . São o verso e o reverso da mesma moeda de paixão. O oposto do amor não é o ódio, mas a indiferença...

11 comentários:

Camélia disse...

Hortência

Minha linda flor da Serra, ódio e raiva são sentimentos abomináveis, o amor está acima de tudo. Acho que a indiferença sim, machuca mais que qualquer outro sentimento.
Por isso é que só cultivo muito amor por onde passo ou com quem convivo. Mesmo estando distante ou percorrendo caminhos diferentes das pessoas que moram no meu coração continuo amando sempre.
Veja a postagem da amiga Burka na outra sala.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Bjs mil
Camélia

Hortência disse...

Mas a indiferença não é pior?
foi um grande programa.
Fiz um ao vivo e gravei outro para o época do natal.

Papoula p AS FLORES DO BLOG disse...

Digo as duas queridocas: INDIFERENÇA MATAAAAAAAAAAAAAA!!!!

AMORRRRRRRRRR, damos para pessoas ESPECIAIS, que recebem e retribuem, nossa, como é gostoso o JOGO DO AMOR, quem nem PING PONG, VAI LÁ E VEM CÁ, assimmmmmmm, ohhhhhhhhh céusssssssssss, meu ISORDILLLLLLLLLLLLLL, NÃO TEM CORAÇÃO QUE RESISTAAAAAAAAA!!!!!!!

Rosaninha para todos do blog disse...

micialQuanto ao caso da Suzana V., ela foi protegida por Deus que a afastou deste homem, posso muito bem imaginar tudo que ela passou com O FALECIDO e digo a todos do blog, ELA TEM QUE AGRADECER DE JOELHOS DE TER SAÍDO A TEMPO DESTE RELACIONAMENTO e tenho certezaaaaaaaaa, que não foram SÓ FLORES como ela sempre tentou passar, alguém com um vício como este É IMPREVISÍVEL, MUDA COMO O VENTO e pobre de quem está por perto, FUIIIIIIIIIIIIIIIII!!!

eliane disse...

Querida Papoula , esta história de jogo do amor é para os teens, adolescentes. Quadno a gente chega na maturidade quer é viver, realizar, concretizar.
Pior que indiferença, só mesmo rejeição.
É a mesma coisa?

Li p/Rosaninha disse...

Rosaninha, sinais do céu. Às vêzes Deus protege e a gente não entende.
Deve estar sofrendo, mas como vc diz passa...E quando passa...um alívio.

Lulu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lulu disse...

Henri Barbusse, escritor francês, assim se expressou em relação ao amor:
"A própria penetração do espírito pelo espírito é coisa proibida. Não há no mundo duas criaturas que falem a mesma linguagem. Em certos momentos, sem nenhuma razão, um amante censura o outro: depois, ainda sem nenhuma razão, um se afasta do outro. Encontram-se novamente, trocam as suas carícias, e mais uma vez um tortura o outro. Um ri, quando deveria chorar, e isso sem que nada possa se fazer em contrário.

.... dois amantes que rolam juntos nos paroxismos do amor, permanecem tão estranhos entre si, como o vento e o mar".

eliane p/Lulu disse...

Profundo e estarrecedor!
Lulu, está amando?

Lulu disse...

Todo poeta vive em estado de paixão, Eliane... nós amamos o amor....

eliane disse...

Eu estou querendo me transformar em uma esfinge calculista.
Vou conseguir. Sorry Lulu.
Depois do lançamento do livro, mudo o discurso.