sexta-feira, 31 de julho de 2009

Tomar decisão não é para qualquer um











Não é todo mundo que consegue, que sabe, que tem coragem em tomar decisões. Para alguns é mais fácil do que para outros. Mas existem situações que não nos dão opção, O fato de decidir nos exige um julgamento, coragem e determinação em cumprir o que foi escolhido.
Comprei meu cachorro Shiro em 1999. Nunca tinha tido nenhum bicho de estimação antes dele. Veio para tomar conta do meu sítio. Esta era a minha idéia, o que eu pensava. Mas Shiro se tornou mais do que isto. Ao longo dos anos, e mais ainda desde 2007, penso muito nele e na hora de nossa separação. Cachorros grandes vivem em media 13 anos. Pequenos entre 15 e 17. Queremos sempre viver muito, esticar a vida, alongar o tempo por aqui. Este também é o desejo que temos com nossos animais. Mas a velhice traz impossibilidades, traz limites, e os cães são igualzinhos a nós: envelhecem. E quando isto acontece , começam os problemas.
É neste momento que o tumulto de sentimentos se instala em nossa cabeça: a tomada de decisões. A escolha de alternativas mais sensatas de ações a serem realizadas. Sacrificar o seu cão é um ato de extrema coragem. Muito mais que isto: de profundo amor pelo seu animal. Digo sempre que terei coragem suficiente para enfrentar este dia.
Uma de minhas amigas vive, esta semana, a dor da decisão tomada, da perda, do luto. Coube a ela reunir forças e enfrentar uma situação que ninguém ousava enfrentar. Deixar Kiko partir.
Estava velho demais e não comia, não se levantava. Durante 17 anos Kiko cumpriu seu papel na família. E em retribuição foi paparicado e amado. A separação seja ela qual for sacode nossos sentimentos. É a grande perda. Lidar com a saudade é desafiador.
Kiko estará sempre presente. E nesta sexta-feira digo para ela : não se culpe, não fique triste, não se arrependa . Você deu ao Kiko o final mais digno que um animal pode receber. Eu não hesitaria também. Ele sabia que só poderia contar mesmo com você.
Amigos, aproveitem a sexta-feira, os momentos, as pessoas e os animais que vocês amam. Muito, muito, muito. Um beijo.

19 comentários:

Papoula p BIJU DA POCINHA disse...

Bommmmmmmmmmm diaaaaaaaaaaaaaaa, lindo fim de semana para OS AUSPICIOSOS DO BLOG MAIS CHARMOSO DO PLANETA e beijins muitoooooooo especiais para A BIJU que hoje enfeita o blog, pessoa muitoooo querida , amada, iluminada e por quem tenho o maior carinho e amizade, ela vale OURO!
Já disse a ela que seu lindo Kiko agora é ANJINHO no céu dos AUAUS e com certeza está lá se esbaldando com seus amiguinhos, comendo MEIA PORÇÃO de peito de cocó,seu prato preferido.
Sei o quanto está sendo difícil para a BIJU,é uma saudade doida e só o tempo ameniza mas KIKO, ESTARÁ PARA SEMPRE NO SEU CORAÇÃO!

Beijinhos muito carinhosos p A BIJU, RAINHA DA LAJE DA POCINHA

Quilma disse...

The, ou "chiquinha", é uma pessoa muito especial, amiga-irmã, sensivel, simpatica, bonita, engraçada, culta, elegante, educada.........e varios predicados. Sempre disse que o unico defeito dela era o amor pelo kiko ( de brincadeira). Ela amava mesmo, deixava de fazer programas se Kiko não tivesse com quem ficar. Embora ela já esperasse este acontecimento, sei que esta muito abalada. Um beijo bem especial para vc AMIGA, para Orlando e a Cla, tambem

Bia disse...

Bom dia!

Só quem já passou por essa perda sabe o quanto é difícil. Eles se vão, mas deixam recordações e histórias maravilhosas. Amo os cães.
Linda foto! Bjs

Elaine disse...

Sou totalmente a favor, e acho que isto deveria ser aplicado as pessoas também. Como bem disse, Eliane, é um ato de amor. Muitas vezes a pessoa já em estado terminal, já está totalmente pra lá, em um sofrimento ENORME, que não terá a menor condição de reverter o quadro. A eutanásia seria uma forma de reduzir este sofrimento, que não é só do paciente, mas da família e dos amigos também. Para que ficar sofrendo e não há possibilidade de melhora? Cruz credo!
Se alguém me deixar nestas condições, quando eu for venho para puxar a perna!!!!

Angela Lemos disse...

Caramba, já passei por isso com um pastor alemão que eu amava, mas era menina e a decisão foi dos meus pais...Mesmo assim sofri muito...Hoje, a minha paixão é o meu gatinho Leão que, graças a Deus, mesmo com 9 anos e meio de vida, goza de muita saúde, apesar de ser bem gordinho. Não imagino a dor que sentirei o dia em que precisar me afastar dele...Mas, com certeza, jamais o deixaria sofrer. Tomaria a mesma decisão. Realmente foi uma grande prova de amor. O vazio e a saudade, com o tempo, se transformarão em doce lembrança.
Beijos, The! conte comigo para o que precisar, viu?

Silvana disse...

Oi blog, as pessoas que amam animais sabe como isso e dolorido e com certeza ja tiveram que passar por um momento deste ou parecido, o importante e lembrar sempre que ele foi amado e se ainda existe muito amor para dar outros caezinhos ou gatinhos esperam para ser amados. Beijos para todas.

Vovó da Laje do HAT p Lady The disse...

Recadinho p a BIJU DA POCINHA:
Lady The, tireeeeeeeeee estes oclinhos pelo menos nas fotos, não esconda esses ZOIÃO AZUL DA COR DO CÉU, affffffffffffffffff, são lindosssssssssssss!

beijins da miguxa

Vovó da Laje do HAT

CHIQUINHA disse...

Por enquanto só posso dizer: obrigada, obrigada, muito obrigada!
Vcs são muito queridas e moram no meu coração! Mesmo as blogueiras(os) que não conheço mas que já ganharam a minha simpatia pelas postagens de amizade, carinho e força,para a nossa querida Lili.
Prometo que depois escrevo mais.
Bjs

Eliane e o boa noite disse...

Boa noite blogueiras.
Sexta feira, friozinho, noite de comemorações para alguns e reflexão para outros.
Sobre nosso tópico "decisões" é sempre pedir sabedoria.
Sobre nossos pets...meu pai me disse um dia: experimenta oferecer casa, comida, afagos para o cachorro de um mendigo. Vê se ele troca o dono pobre por um dono rico.Amigos fiéis.
Adorei as visitas.

elizabeth disse...

Só quem possui ou possuiu um cão, pode dimensionar o amor incondicional que este bichinhos nos dão, nos dão amor, alegria, dedicação. Sabem qdo estamos tristes, doentes irritados e tudo mais, mas estão sempre ali, fieis em todos estes momentos.

Perdê-los por velhice, doença já é dificil, mas nos separarmos deles com uma decisão deste porte não é para qualquer um não. Me solidarizo com sua amiga, a dor de não ter mais por perto seu amigo tão querido, pois sei o que ela está passando.

Como a Bia falou restam saudades, recordações e histórias que sempre ficarão na nossa memória.

Monica disse...

Lili, passando para desejar um bom final de semana a voce e todos os blogueiros.
THE, um abraço carinhoso.
bjks,
Monica

Eliane disse...

Delícia Moniquinha vc por aqui.
Como vai Chiquinho?

Eliane disse...

Beth qureida. Um tema deste te trouxe aqui heim?!
Gente, eu entendo a saudade. Ah se entendo.
Mas todos nós cumprimos um ciclo.
Felizes aqueles que sabem aproveitar.

Camélia disse...

Hortência

Boa Noiteeeeeeeeeeeeeeeeeeee

Camelinha chegando mais cedo hoje.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Sacrificar, renunciar, abrir mão de..............
É muito difícil, mas às vezes, é preciso, principalmente qdo envolve sofrimento.
Decisões são difíceis mas necessárias.
Com fé tudo se resolve melhor.
Bjs mil
Camelinha do Cerrado (filial do inferno)

Lulu disse...

Eu posso bem imaginar o que é isso... nunca tive que sacrificar nenhum animal meu, mas já perdi por morte natural e, realmente, a gente sofre muito. Tive um cachorro todo preto, belíssimo exemplar de viralatier brasiliensis (rsrsrsrsrs), que estava muito mal, mas mesmo assim esperou eu chegar para morrer. É esse amor incondicional e essa fidelidade que nos comovem. Eu fico imaginando a minha Liza, minha cocker spaniel, que já está caminhando para os 12 anos. Ainda está muito saudável, apesar de ter perdido 3 dentes caninos e eu estar desconfiada de que ela está ficando surda... sei que vou passar um bom tempo inconsolável quando ela for pro céu dos cachorros...

Rosario-SP disse...

Minha admiração para sua amiga, mãe do Kiko, como vc já sabe tive que em dezembro ter este ato de coragem. NINA só tinha 04 anos, estava sofrendo por demais de uma sindrome rara... o que fazer... faz-se e depois choramos um fim-de-semana inteiro, não conseguiamos comer, conversar.... foi terrível. Eu aconselho ter outra cia. bjs.

CHIQUNHA disse...

Obrigada mais uma vez pela força.
É isso mesmo, meu Kiko continuará tendo o meu amor nas boas lembranças que me deixou.Na sua alegria, brincadeiras, na companhia, principalmente nas horas difíceis dos quatro anos que as saudades da Clarisse apertavam mais meu coração de mãe.Ela mesma, quando se referia a ele para as pessoas,( com uma leve pitadinha de ciúmes) dizia: ele é meu irmão, pq minha mãe gosta e trata dele como um filho. E tinha mesmo todos os minmos. Só bebia agua de coco, e tudo o mais que adorava e lambia os beiços!Ele está aqui no fundo de tela do meu computer, olhando para mim, com seus olhinhos de jaboticaba, uma foto mais bonita, mas que só encontrei depois que tinha mandado para Lili essas outras.
Tomar essa decisão realmente não foi fácil. Foram algumas seções de terapia que me ajudaram a enxergar que meu amor por ele era muito maior e mais forte do que o apego.
Ele foi um cãozinho feliz, e nos deu muita felicidade também.
Bjs,
Chiquinha

Lili prá frente disse...

E com lágrimas nos olhos, a esperança no coração, seguindo em frente turma! Foi uma benção Kiko viver seus 17 aninhos completos. Vamos em frente.

Fátima disse...

Não sei o que dizer nessas horas , mas não podia deixar de mandar um beijo e a minha solidariedade a The!