quarta-feira, 30 de setembro de 2009

A onda que pode cobrir as nossas vidas



Tem gente que tem medo de tudo. Até de sair na chuva. As desculpas para não se sair da rotina e do previsível são as mais variadas. Os medrosos criam as mais diversas fantasias e pronto: impõem os próprios limites. E para arrancar o medo depois? Um problemão. Lá vai dinheiro para o analista, lá se vão horas e dias e sonhos fugindo de nossas mãos. Com medo não se caminha, não se dá um passo a mais. E não adianta. Quando a onda tem que vir, não avisa. Você pode estar na sua casa, que o tsunami te pega como aconteceu ontem em um prédio na zona sul do Rio. E como aconteceu também do outro lado do mundo, na Oceania, quando uma onda gigante matou 100 pessoas. E como tem sido no sul do país com as chuvas fortes acabando com lindas cidades e moradores.
O medo vem do dna quando os pais não tem tanta coragem para ousar. E criam raízes profundas no decorrer de nossas vidas se a gente deixar, diante de tanta luta.
Outro dia, um querido meu que está acima do peso e tem pressão muito alta, estava falando do horror que tem em colocar um "holter" - um aparelhinho para medir os batimentos do coração e que monitora você por 24 horas. Fêz um escândalo só em pensar no assunto. Fiquei quieta pensando. Mais cedo ou mais tarde, com o quadro de obesidade que está, ele não escapa disso.
Eu não tive saída. Estão pensando que meu cardio Flávio me dá moleza? Tive que colocar uns tantos fios em volta de mim e um aparelhinho para verificar passo a passo meu coração de menina. Nossa, me alertaram que seria um horror, uma chateação ( lá isto é).
Bom, Flávio Cure não está nem aí se eu tenho medo ou não. E lá fui eu. Cheguei no local indicado e um rapaz simpático me explicou o procedimento. E eu falei ok. E sabem da maior? Era mais simples do que todos pintaram para mim.
Sai de lá com algumas recomendações e mais uma vez pensei. "O medo é o limite do homem". E " a fantasia é pior que a realidade."
Não adianta, a gente tem que fazer um esforço e dominar os receios e os medos. Se a gente não tentar, ele vem como uma onda e cobre toda nossa vida.
Bom, cá estou eu, em mais um dia, disposta a enfrentá-lo. O quê? O medo, claro. Estão pensando que ele não tenta me pegar?
Um bom final de setembro.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Conte o número de realizações, não os anos que tem.


"Qual seria a sua idade se você não soubesse quantos anos você tem?" Confúcio

Coisa chata este negócio de todo mundo querer saber a idade da gente. -"Ah porque não contar?" Ora bolas, e porque falar? Façam contas, perguntem aos mais íntimos ( eles serão desmascarados por mim), advinhem...que chateação. Vocês vão pensar que eu escondo a idade não é?! Que nada ! Apenas não falo sobre isto. E dá para esconder sem plástica? Difícil. Ando tão acabadinha...srsrsrsrrs
O marketing em torno da minha idade tem um significado especial para mim. Ou melhor uma lição ensinada e cumprida com rigor. Um dia meu pai entrou aqui em casa e conversando sobre o assunto ele disse:
-"Para que pensar em idade? Se a gente fica pensando que tem tantos anos de vida pode começar a desistir de projetos e se acomodar. ( Ele morreu aos 94 anos)
"Ah já fiz isto, ah já conheço aquilo, não tem mais graça, estou cansado(a), deixa pra lá, já fiz de tudo nesta vida..."E não é verdade?"Ah não preciso disso ou daquilo. Já tenho tudo. Minha vida é simples . Para que trabalhar mais?"
Pois é, é bem por aí. Então deixei pra lá a idade e só me preocupei com realizações.
Mas ontem, uma produtora de TV ligou e perguntou: "Eliane , tenho duas perguntas." Aí eu falei rindo: "Idade NÃO!" Ela me adulou: -" Puxa você é tão bonita não precisa disso. De esconder a idade ." "Ah então tá, mas vou." E ri. E ela pressionou.
O restaurante inteiro ria em volta e eu fingi que nem estava vendo. O garçon então..."
Ela ainda brincou:"ninguém vai ver." "Ninguém?Ah tá bem . Em rede nacional? Acredito. E ri."
E o pior que quem vê são sempre os chatorebas, aqueles de plantão, lembram? Os amigos sempre perdem as reportagens.
Bem, não teve jeito. Espero estar incomunicável ou em Nova York no dia que esta entrevista sair.
Hoje estou traumatizada rsrsrsrsrsr. Outro dia eu conto onde a reportagem vai sair.
Vão esperando...sentados. srsrrssrrsrsrsrs
Bom dia.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Reveja suas estratégias para alcançar seu objetivo


Fiz especialização em marketing e publicidade há alguns anos quando a moda surgiu nas universidades. Na verdade não sigo a moda. Sigo minha intuição. E senti que era hora de dar um "plus" na minha carreira. Aproveitei e me aperfeiçoei também em publicidade e em comunicação empresarial. Fiz outro curso em uma Universidade no interior do estado, em Resende, com uma amiga amada e craque no assunto. Com ela dividi momentos sensacionais. E fracassos também. Nossa amizade tinha que acontecer. Um dia conto. Ela é craque em marketing, está sempre a frente de seu tempo e hoje ocupa a a direção de uma universidade no Rio. E é dela as dicas que divido hoje com vocês. Para uma segunda-feira, nada mais apropriado que rever estratégias e planos. Na vida profissional e na pessoal. Afinal a vida é feita de objetivos, posicionamento, estratégias e táticas. No mundo de hoje, não se pode confiar só no coração e na intuição. Aproveitem:
Gestão Estratégica & Corporativa em 6 aulas
AULA 1

Um homem está entrando no chuveiro enquanto sua mulher acaba de sair e
está se enxugando. A campainha da porta toca. Depois de alguns segundos de discussão para ver quem iria atender a porta a mulher desiste, se enrola na toalha e desce as escadas.
Quando ela abre a porta, vê o vizinho Nestor em pé na soleira. Antes que ela possa dizer qualquer coisa, Nestor diz:
- Eu lhe dou 3.000 reais se você deixar cair esta toalha!!!
Depois de pensar por alguns segundos, a mulher deixa a toalha cair e fica nua. Nestor então entrega a ela os 3.000 reais prometidos e vai embora. Confusa, mas excitada com sua sorte, a mulher se enrola de novo na toalha e volta para o quarto. Quando ela entra no quarto, o marido grita do chuveiro:
- Quem era?
- Era o Nestor, o vizinho da casa ao lado, diz ela.
- Ótimo!!! Ele lhe deu os 3.000 reais que estava me devendo?
Conclusão: “Se você compartilha informações a tempo, você pode
prevenir exposições desnecessárias”

AULA 2
Um padre está dirigindo por uma estrada quando um vê uma freira em pé
no acostamento. Ele para e oferece uma carona que a freira aceita. Ela entra no carro, cruza as pernas revelando suas lindas pernas. O padre se descontrola e quase bate com o carro.
Depois de conseguir controlar o carro e evitar o acidente ele não resiste e coloca a mão na perna da freira. A freira olha para ele e diz: - Padre, lembre-se do Salmo 129!!!
O padre sem graça se desculpa:
- Desculpe Irmã, a carne é fraca…
E tira a mão da perna da freira.
Mais uma vez a freira diz:
- Padre, lembre-se do Salmo 129!!!
Chegando ao seu destino a freira agradece e, com um sorriso enigmático, desce do carro e entra no convento. Assim que chega à igreja o padre corre para as Escrituras para ler o Salmo 129, que diz: “Vá em frente, persista, mais acima encontrarás a glória do paraíso’.
Conclusão: “Se você não está bem informado sobre o seu trabalho, você
pode perder excelentes oportunidades”

AULA 3
Dois funcionários e o gerente de uma empresa saem para almoçar e na rua encontram uma antiga lâmpada a óleo. Eles esfregam a lâmpada e de dentro dela sai um gênio. O gênio diz:
- Eu só posso conceder três desejos, então, concederei um a cada um de vocês!!!
- Eu primeiro, eu primeiro. Grita um dos funcionários…
- Eu quero estar nas Bahamas dirigindo um barco, sem ter nenhuma preocupação na vida….
Pufff e ele foi. O outro funcionário se apressa a fazer o seu pedido:
- Eu quero estar no Havaí, com o amor da minha vida e um provimento interminável de pina colada!!! Puff e ele se foi.
- Agora você.
Diz o gerente para o gênio ...
- Eu quero aqueles dois de volta ao escritório logo depois do almoço
para uma reunião!
Conclusão: “Deixe sempre o seu chefe falar primeiro”
AULA 4
Na África todas as manhãs o veadinho acorda sabendo que deverá conseguir correr mais do que o leão se quiser se manter vivo. Todas as manhãs o leão acorda sabendo que deverá correr mais que o veadinho se não quiser morrer de fome.
Conclusão: “Não faz diferença se você é veadinho ou Leão, quando o sol
nascer você tem que começar a correr”

AULA 5
Um corvo está sentado numa árvore o dia inteiro sem fazer nada. Um pequeno coelho vê o corvo e pergunta:
- Eu posso sentar como você e não fazer nada o dia inteiro?
O corvo responde:
- Claro, porque não?
O coelho senta no chão embaixo da árvore e relaxa.
De repente uma raposa aparece e come o coelho.
Conclusão: “Para ficar sentado sem fazer nada, você deve estar no topo”
AULA 6
Um fazendeiro resolve colher algumas frutas em sua propriedade, pega um balde vazio e segue rumo às árvores frutíferas. No caminho ao passar por uma lagoa, ouve vozes femininas que
provavelmente invadiram suas terras. Ao se aproximar lentamente, observa várias belas garotas nuas se banhando na lagoa, quando elas percebem a sua presença, nadam até a
parte mais profunda da lagoa e gritam:
- Nós não vamos sair daqui enquanto você não deixar de nos espiar e for embora.
O fazendeiro responde:
- Eu não vim aqui para espiar vocês, eu só vim alimentar os jacarés!
Conclusão: “A criatividade é o que faz a diferença na hora de
atingirmos nossos objetivos mais rapidamente”

domingo, 27 de setembro de 2009

Domingo de sol e abençoado.




Domingo de sol. Lindo. Domingo de bençãos. Dia de São Cosme e Damião. Domingo de notícias auspiciosas e curiosas também.
-"Preconceito na doação de orgãos cai. Gesto da mãe de Elóa, que morreu há um ano em São Paulo, incentiva doação de orgãos." Emerson, Livia e Maria Augusta vivem por causa deste gesto de amor e desprendimento.
-" Orelhas de coelho viram tendência entre as celebridades." Esta é boa. Você tem coragem de sair assim?
E não dá para esquecer: Major Busnello: este é o cara!!!! A polícia do Brasil tem que ser assim: treinada, técnica, competente e certeira!


sábado, 26 de setembro de 2009

Quem procura, acha!


Bom dia blogueiros e humoristas. Como hoje é sábado, o primeiro da primavera chuvosa, vou colocar aqui um dos textos que recebi esta semana. Li e reli e concordo com Luiz Fernando Veríssimo, que não existe uma pessoa certa para cada um de nós. Mas existe uma pessoa. Alguém que por atração, amor, compromisso, caráter, desprendimento e acima de tudo, admiração, quer ficar ao nosso lado. Se ele (ou ela) quer ficar ao nosso lado (aturando os defeitos) ali juntinho, com certeza é a pessoa certa!
E lá vou viver o sábado. Afinal não sou mulher de juntar os caquinhos, sou mulher de quebrar os vidros!

Pensando bem em tudo o que a gente vê e vivencia e ouve e pensa, não existe uma pessoa certa pra gente.
Existe uma pessoa que se você for parar pra pensar é, na verdade, a
pessoa errada. Porque a pessoa certa faz tudo certinho!
Chega na hora certa, fala as coisas certas, faz as coisas certas, mas nem sempre a gente tá precisando das coisas certas. Aí é a hora de procurar a pessoa errada.
A pessoa errada te faz perder a cabeça, perder a hora, morrer de amor...
A pessoa errada vai ficar um dia sem te procurar que é pra na hora que vocês se encontrarem
a entrega ser muito mais verdadeira.
A pessoa errada, é na verdade, aquilo que a gente chama de pessoa certa. Essa pessoa vai te fazer chorar, mas uma hora depois vai estar enxugando suas lágrimas.
Essa pessoa vai tirar seu sono. Essa pessoa talvez te magoe e depois te enche de mimos pedindo seu perdão. Essa pessoa pode não estar 100% do tempo ao seu lado, mas vai estar 100% da vida dela esperando você. Vai estar o tempo todo pensando em você.
A pessoa errada tem que aparecer pra todo mundo, porque a vida não é certa. Nada aqui é certo!
O que é certo mesmo, é que temos que viver cada momento, cada segundo, amando, sorrindo, chorando, emocionando, pensando, agindo, querendo,conseguindo...
E só assim, é possível chegar àquele momento do dia em que a gente diz: "Graças à Deus deu tudo certo." Quando na verdade, tudo o que Ele quer é que a gente encontre a pessoa
errada pra que as coisas comecem a realmente funcionar direito pra gente...

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Não quero ter razão. Quero é ser feliz!


"Ontem passado. Amanhã futuro. Hoje agora." Emamanuel
Tenho metas e planos. Preciso deles para prosseguir . Todos vocês também. Mas tenho duas amigas que têm outra filosofia de vida: vivem o hoje. Afirmam e reafirmam todos os dias para mim:" viva um dia de cada vez." E isto nada tem a ver com a minha história. Elas pensam assim. Agem assim. Para mim, que sempre fui futurista, tem sido um aprendizado mudar alguns conceitos.
Eu estava diante de algumas decisões há dias quando de uma hora para outra, uma bobagem mudou tudo. Confesso que desmontei. Aliás venho desmontando tanto, que vou acabar uma pilhinha de caquinhos, ou de pequenas elianinhas. risos. Você planeja, planeja, arruma tudinho na sua cabeça e fora dela, e vem um ventinho e pronto: desarruma tudo. Aí vem a frase célebre de minhas duas amigas: "um dia de cada vez."
Difícil não é admitir que o outro tem razão. Admito com humildade, porque já passei da fase de "meu ponto de vista não muda." Difícil mesmo é reorganizar a cabeça e não deixar que o estresse tome conta de você.
Afinal não quero ter razão. Quero é ser feliz!
Bom dia. Hoje é sexta. Dia de trabalho e alegria na rádio Globo, com meu amigo Roberto Canázio.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Joaquim é o nome da moda!



Ora pois. Bom Dia. Porque será que os brasileiros não perdem o hábito de fazer piadas com nossos descobridores? Se não fosse pelos portugueses, teríamos sido descobertos por holandeses, espanhois, ingleses, franceses. Chato né? É mais divertida e gostosa a cultura portuguesa, a culinária portuguesa, os hábitos portugueses. Já imaginaram se os portugueses não tivessem fundado o Vasco? Todos seriam flamengo? Ai ai ai.
E teria graça fazer piada de holandês e francês? Sei não! Eu não conheço Portugal( está já na agenda), mas se não fosse a colonização, eu não teria na minha vida três pessoas que amei e amo: minha tia Magna, minha madrinha Olinda e minha madastra Alice. E os brasileiros não teriam de quem zoar. Imagina tirar onda de holandeses ou franceses. Não ia funcionar. É uma injustiça o que fazemos com D. João, Dona Maria e nossos Manoel's e Joaquin's. É também injusto culpá-los de tudo. Eles só tem uma parcelinha de culpa. E parece que nós não perdoamos. E os infernizamos. É sempre assim, a gente inferniza aqueles que a gente ama. Faz picuinha o tempo todo.
Já sei que os trabalhos estão abertos e que hoje, os(as) piadistas de plantão vão acabar com o Blog. Calma pessoal, não abusem do espaço, que é de saúde, amizade, vitória, e é séríssimo. O Blog tem laços estreitos com portugueses. Peguem leve.
E para animar a quinta-feira lá vai:
Joaquim Vai ao Médico. . .
Joaquim vai ao médico, que lhe receita três remédios. Uma semana depois o português volta bem pior do que estava.
- O senhor não comprou os remédios que eu prescrevi?
- Mas é claro que comprei, doutoire!
- E tomou corretamente?
- Tomaire como? Pois se em todos frascos estava escrito "Mantenha sempre fechado"?
Atenção pessoal, de salão. Só piadas de salão.
Um dia alegre, de muitos risos e nenhuma lágrima.
Adeusinho!


quarta-feira, 23 de setembro de 2009

A Sonata ao Luar abre a primavera do Blog




Bom dia amigos. A história que vou deixar aqui é conhecida por alguns já. Mas ela encaixa como uma luva para aqueles que neste momento estão cansados de lutar. E é sempre bom reler e recordar. Foi um presente de um companheiro de trabalho, atento e observador. Vou resumir.
Há momentos em que a dor é tanta, que não sabemos onde mais nos apegar..."
..." Foi o que ocorreu com um dos compositores mais reconhecidos de todos os tempos, Ludvig Van Beethoven, nascido em 16 de dezembro de 1770, na cidade de Bonn, Alemanha , e falecido em 1827, na Áustria. Subjugado por um pai despota, que o obrigava a levantar de madrugada para tocar piano, Beethoven teria motivos suficientes para repudiar a carreira musical. Aos 13 anos foi obrigado a abandonar a escola para sustentar a casa até que o conde Waldstein decidiu investir na carreira do compositor.
Seu pai era um músico medíocre e frustrado, e depois de se transformar em alcoólatra contumaz, veio a falecer na rua. Aos 17 anos Beethoven ficou orfão de mãe. Seu irmão biológico nunca o ajudou, e ainda muito jovem começou a sentir os primeiros sintomas de uma surdez progressiva. Em 1792 mudou-se para Viena, onde Mozart, anos antes, ao ouvi-lo já havia reconhecido o talento prodigioso de Beethoven, proferindo a célebre frase: "não o percam de vista, um dia há de dar o que falar."Mas o avanço da surdez mergulhou Beethoven em profunda crise de depressão, que o levou a elaborar um suicídio. Foi quando então redigiu o testamento "d'heiligenstad." Foi em sua casa que escreveu, em 1802, o testamento na qual ele confessou sua surdez.
Contudo ao invés de se matar, ele preferiu " agarrar o destino pela garganta." Mesmo com o agravamento da doença compôs suas mais belas obras." Parecia-me impossível deixar o mundo antes de dar a ele tudo que germinava em mim", declarou. No ano de 1801, ele dedicou à condessa Giulietta Guicciardi, sua aluna, a Soneta do Luar. Foi por esta ocasião que ela , momentaneamente, enamorada, pintou o seu retrato. E ele o guardou por toda a sua vida. Pouco tempo depois, ela casou-se com outro. Depois de desilurdir-se com este e outros casos de amor, tornou-se um solteirão convicto. Na última década de sua vida, já completamente surdo, gastava suas noites pelas tavernas, maltrapilho, com os pulmões comprometidos, o fígado dissolvendo-se em álcool e com as dores de cabeça que não lhe davam mais paz.
Em 7 de maio de 1874, ele assistiu se derradeiro triunfo: foi efusivamente aplaudido pela sua nona sinfonia no Teatro de Viena.
A Sonata do Luar é o raio da cura e da verdade.
Feche os olhos e sinta a sinfonia.
Deixo aqui para vocês o link para que possam ouvir a Sonata. Vale à pena.
E lembrem-se, desistir da luta, jamais!

http://www.slideshare.net/Beatris/beethoven-raio-da-cura

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Vamos de táxi ou de van?


Terça-feira, primavera chegando chuvosa e hoje todo mundo à pé. Se exercitando.
É que hoje é dia
que as três cidades, São Paulo, Rio e Curitiba, que têm maior número de veículos no país, vão inovar e andar de bicicleta, a pé, metrô, onibus e trem. E outras cidades tb. E a chuva? Bem, novo desafio para quem é políticamente correto.
O Dia Mundial Sem Carro é um movimento internacional que começou na Europa em 1998. A ideia é que as pessoas deixem seus automóveis em casa por um dia no ano e utilizem o transporte coletivo ou meios alternativos, como bicicletas. A iniciativa é legal, mas brasileiro detesta andar de transporte público. Acho que vai ser um nó. E vai ter muita falta no trabalho. Os que podem faltar, claro.
Bem, a inovação pode surpreender. O que já está atrapalhando é a chuva forte inesperada. Meus motoristas, aqui do ponto de táxi, no bairro charmoso, estão comemorando. A disputa vai ser grande.
Enfim, sempre é bom inventar moda e colocar um certo molho na vida. E testar a solidariedade, a boa vontade e o sentido coletivo do ser humano.
Agora, carro é paixão nacional. Tem gente que ama mais o carro do que a própria casa e não vai querer se separar dele.
Mas hoje, com chuva ou com sol, é dia de colaboração. Fico só com uma dúvida: vans particulares circulam? Estou ligando para o Val. Hoje vou de van.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Os laços do afeto e da delicadeza presentes na Bienal





A Bienal terminou coroando uma semana de realização na minha vida. E da Hama também. Bons negócios, muita visibilidade, entrevistas e novos leitores e laços.
No final da noite de ontem, estávamos conversando abobrinhas no estande e bincando sobre o sucesso de um dos nossos vendedores gato com a galera. De repente meu editor Jorge parou e soltou esta : -"Sabe porque o Falcão faz sucesso com as mulheres? Isabela Fontana a modelo revelou: ela nunca foi tão bem tratada na vida. Ele sabe ser cavalheiro, gentil e sabe como tratar uma mulher. Aí só namora mulheres bacanas e lindas. " Alguém então também lembrou de Andre "Copal" Gonçalves que tem o mesmo estilo. Como disse o ator José Meyer: " Elas veem beleza em homem feio com conteúdo."
Mulher atura tudo: homem pobre, feio, mimado, bobão, infantil, recalcado, mas não atura grosseira. De nenhum tipo. Homens assim, aliás, acabam mordendo as fronhas e sempre sozinhos. Mais cedo ou mais tarde. Eles são daquele tipo que chegam com tudo, falando macio e depois de certo tempo se revelam. O bom é que pagam a vida toda por isto. E depois não entendem porque não dão certo. Mulher não perdoa grosseria, não é mesmo?!
Vamos então começar a semana prestando a atenção nas coisas certas e valorizando a bondade, a gentileza e o tratamento que cada um (a) de nós recebe na vida. E colocando no "altar" tudo que conquistamos.
E viva o Falcão, o André Gonçalves, a Bienal, a paulicéia desvairada que baixou no Rio ( foi o presente do presente) e um brinde à Hama, aos autores, ao sucesso e realização, e aos novos projetos que estão à caminho! Esta semana tem "Atraídos pelo amor" no programa Hoje em Dia em rede nacional pela Rede Record. Ao lado da autora, os personagens reais do conto "Meu amor é para sempre."
Bom dia.
Segunda pessoal, hora de renovar tudo!
fotos: autores da Hama e leitores queridos.

sábado, 19 de setembro de 2009

A corda que nos conduz para a vitória!












Heheheheheheheheh. Consegui decifrar o enigma da imagem que não entrava na postagem.
E em homenagem a todos que participaram comigo da Bienal do Rio, que termina neste domingo, aí estão as imagens que falam por si. Exatamente como coloquei no tópico abaixo. Para que falar muito se as imagens dizem tudo?! Ou quase tudo! A alegria, os sorrisos, a realização e a vitória.
E o sucesso de tudo está na corda que nos enlaça, nos amarra e nos conduziu a esta história de amizade e respeito.
Hoje tem Hama no Jornal Nacional da Plim Plim.
Sucesso com "Os contos de todos nós."

Sábado sem lenço, documento e fotos!

Estou sem poder colocar fotos e imagens no Blog. Não sei o que anda acontecendo mas estou arrasada. O fato me lembra um episódio quando eu trabalhava na Radio Nacional do Rio.
Estava no meu turno quando um policial famoso morreu na rua ao lado da rádio e foi aquela correria. Foi assassinado em plena luz do dia. Naquela época isto não era tão comum no Rio. Me lembro do querido e amigo, Jorge Guilherme, diretor geral, mandando eu correr para documentar tudinho. Me entregou um pequeno gravador e eu fiquei olhando para ele. Era a primeira vez que eu cobriria um fato sem a imagem. Sem meus cinegrafistas e sem aquela parnafernália que tanto amo em televisão - luz, cameras, microfones, rebatedores etc...
Foi dificílimo transmitir tudinho sem documentar o que estava vendo através da imagem. Um desafio. Ali tive a certeza que fazer radio não é nada fácil. Em tv temos aliados. E quando vi chegar aquele povo da televisão então... fiquei olhando querendo também levar aos ouvintes uma imagem.
Radio é assim. E ontem e hoje me sinto assim me sinto como naquele dia: capenga. Sem foto e sem imagem no Blog. Estamos vendo se o problema é do computador daqui. Peço desculpas. Além do mais porque hoje começaria a postar as fotos da bienal.
Mas não desamarrem a corda por causa disto. A vida requer paciência. Eu que o diga.
Hoje é sábado penúltimo dia da Bienal. A primavera está chegando. Estão voltando as flores...ai ai ai...eu eu não posso colocar as flores aqui... Helllllpppppppp!

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

As palavras também pedem descanso


Fiquei com a tela aberta do computador por mais de uma hora pensando no que escrever hoje. É raro isto acontecer. Claro que a notícia que li cedo nos jornais mudou o rumo dos meus pensamentos. Na verdade tenho tanto para falar, para contar, para demonstrar, mas nem sei por onde começar. Mas é que chegou a hora de descansar. Eu preciso afrouxar este pique e José precisa descansar. Será que niguém entende? Acho que José começa a entender. Aceitação. Difícil aceitar a previsão da meteorologia. Difícil mudar algumas coisas quando as situações parecem contrárias. Difícil perder afetos, sonhos e deixar amigos. Difícil não pensar, difícil sufocar esta saudade.
Bem, eu poderia hoje falar também da excursão feliz e engraçadíssima da tarde de ontem. Pessoal, as meninas segurando aquela corda para não se perder na Bienal viraria foto de primeira página se um fotógrafo cruzasse com elas. Também poderia contar sobre o abraço daquela amiga que disse para mim outro dia: "-Não desista por favor. Você tem uma força descomunal." Ou falar sobre a reportagem do Blog na Globonews. Sobre o olhar confiante do craque cirurgião, Eduardo Linhares, que acabou de chegar do Japão com notícias e abraços. Ou sobre o gostoso bate papo na Bienal do Livro.
Não sei. Detesto "não sei", mas hoje recolho meus pensamentos. E sigo para mais um dia de atividades intensas pensando em alguns sentimentos, algumas dores, neste último ano, em alguns e muitos desejos e nesta força que minha amiga se referiu, que não é tão descomunal assim.
Penso que é preciso entender que tudo tem um tempo na vida. Mas difícil aceitar. Como disse a escritora de "Enigmas da Alma", ontem, no Riocentro, deveríamos ouvir mais os sinais dentro da gente e evitar caminhos que causam sofrimento.
Mas quem consegue? E há os sofrimentos inevitáveis. Aquele velho ditado "quem está na chuva..." Por isto já estou com as malas prontas com meus apetrechos. E apesar de reflexiva, não estou nem um pouco deprê, nem um pouco infeliz, nem um pouco triste. Estou apenas querendo aceitar que existem horas de recuo e horas de agir. E existe a aceitação. Enquanto não aceitamos um fato concreto, ficamos mergulhados em dor.
Aceitar e agir. Aceitar e seguir. Ou simplesmente aceitar. A saudade, a perda, e uma nova história.
Chegou a sexta, a terceira de setembro. Antes de dar o meu bom dia, deixo o meu agradecimento para estas meninas desprendidas, queridas, parceiras, que juntas transformaram a minha tarde em mais uma vitória. E para Tio Plá que enfeitou a excursão. Para Elaine, Monica, Alexandre, Theo, Igor, nossa que carinho! E Alice ( que ficou presa no trânsito infernal) e para todos que com aquela energia iluminaram as minhas palavras no bate papo com Monica Alencar e Ana Maria Santeiro.
Um beijo e como diz meu querido Haroldinho de Andrade, " aí vai o meu bom dia para vocês."
Com o amor da Eliane.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Excursão? Só se for em boa companhia!


Bom dia. Ufa que correria. Acho que estou precisando dar um tempinho e descansar. Pegar uma praia e "ficar de papo para o ar." A minha vida neste setembro está parecendo excursão. Sabem, daquelas que a gente embarca e não vê lugar nenhum. Tira uma foto e sai correndo para outro lugar?! Quando acaba a viagem, as férias, alguém pergunta: -"Como foi? Gostou das férias, gostou de Paris, de Salvador, etc...?" E você se dá conta de como foi tudo corrido.
Eu não suporto excursão. Aquela gente toda embolada seguindo um roteiro pré-estabelecido, o guia fazendo piada, uma músiquinha chata ao fundo e no final alguém resolve cantar. E o farnel? É tem gente que leva de tudo na bolsa para fazer lanchinho. E gentilmente ainda oferece. E o motorista? "Um cristo, sofredor!"
Agora a gente paga com a língua quando diz que não faz este ou aquele tipo de coisa. Em um determinado momento da vida, você acaba se rendendo a alguma coisa que você sempre rejeitou. E assim, lá vou eu hoje pegar uma excursão. Eu, que tenho casta (risos)...Enfim o bom da vida é experimentar situações novas. E tem momentos que você precisa ceder. E devo confessar que estou curiosa e um pouquinho contente. Afinal vi a lista dos inscritos para esta viagem e acho que vou rir demais. Estava pensando em cochilar até o destino. Mas sinto que não vou conseguir. Quero só ver a cara do motorista quando sentir a tropa.
E lá vamos nós. Se você estiver no Rio, dá um pulo no final da tarde na Bienal. É hoje o dia do bate papo no espaço Cora Coralina, no pavilhão azul do Riocentro. Só estou preocupada com uma coisa: depois da farra, das risadas e de enlouquecer o motorista, será que consigo falar de superação? hahahahahah. Bem se eu consigo superar o trauma da excursão...é um bom começo para iniciar a prosa!
Lá vou. Boa quinta feira. E se voltar à noite é porque sobrevivi!

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Deixa a vida dar voltas, deixa ela...


"Jamais se desespere em meio as sombrias aflições de sua vida, pois das nuvens mais negras cai água límpida e fecunda." Provérbio chinês.

Eu não sei porque a vida dá tantas voltas. Vocês sabem? O dia de hoje, 16 de setembro, vai mexer comigo para sempre. Foi há um ano que abri os exames que queimavam minhas mãos e minha cabeça durante dois dias. Foi há um ano que fiquei chocada ao ler que teria que voltar para tratamentos e o futuro ficava cada vez mais longe de meus olhos. Foi há um ano que eu estava às vésperas de uma palestra para uma multinacional, em São Paulo, onde eu falaria para 194 pessoas e não sabia o que fazer. Foi um dia 16 difícil. Olhar dr Daniel Herchenhorn e ver os olhos molhados dele ao ler os exames, foi mais que pertubador. Um choque. Tive que me conter muito.
Cabeça em frangalhos, ainda sim eu tinha um sonho. Alguns sonhos que pareciam verdadeiros. E lutei. Lutei como uma leoa. Me despedacei. Me despedeçaram. Mas hoje vejo o sorriso de Daniel, vejo no espelho meus fios de cabelos fraquinhos mas ainda lá, vejo o segundo livro, o projeto de "Sentença" internacional, o terceiro livro sendo elaborado, a Bienal...Olho para dentro de mim e vejo tantas mas tantas emoções. Não esqueço do dia 16. Não esqueço da luta, das vitórias, do respeito de meus médicos e das últimas palavras outro dia do meu radiologista, Dr Amarino:
-"Seus médicos tem tanto orgulho de você...."
Guardei isto para os próximos enfrentamentos. Vou tentar esquecer abandonos e me agarrar naqueles que tem orgulho de mim. Que lutam por mim como meus médicos.
Hoje, dia 16, foi difícil não lembrar das dores, apesar de todas as grandes conquistas. Mas é dia de celebrar. E deixar a pergunta que há um ano me atormenta: porque a vida dá tantas voltas?
Ora bolas, quer saber? Deixa dar! Eu enfrento!
Bommmmmmmmm Diiiiiiiiiiiiiiiiiiaaaaaaaaaaaaaa amados amigos e olheiros.
E para ninguém pensar que ando filosofando demais, hoje é dia de Latino no Blog. Estou indo cantando:" Hoje é festa lá no meu apê...pode aparecer vai rolar bundalêlê... e tem birita até o amanhecer..."
http://www.youtube.com/watch?v=IywJCNBgyaM

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Eu quero ter um milhão de amigos e mil desejos para viver



Eu estava com um texto pronto para comemorar os 1000 tópicos do blog escritos aqui desde a abertura dele em 2008. Aí fui ler as notícias do dia a dia e vi que mais um guerreiro encerrou sua missão neste mundo, após dois anos de luta árdua contra um câncer de pâncreas. Sempre ficamos abalados quando perdemos alguém por qualquer motivo. Ainda mais por este tipo de doença que nos assusta e surpreende. E ainda mais quando estamos no front de batalha querendo vencer e acreditando que podemos e que vamos vencer !
Mas quem está vivo está aqui pra se molhar. De uma forma ou de outra. O importante é ter galochas, guarda-chuva, casacos e capas para se proteger e usar no momento certo. E reiventar a vida quando a tempestade chega. E ter uma segunda chance.
Persistir e perseguir um objetivo requer disciplina, empenho, desejo que dê certo, paciência. Tanto em um tratamento quanto nas metas que propomos a nós mesmos.
Escrever requer disciplina. Estar com vocês todos os dias requer além disso, acordar cedinho, caprichar nos textos, pensar em vocês.
Entre tudo que tenho realizado nos últimos três anos, o Blog tem um espaço especial no meu coração e na minha nova vida. Por isto faço questão em estar por aqui sempre, todos os dias cedinho, ao longo das horas do dia e da noite, estimulando nossas conversas, moderando os exageros e rindo de tudo que vocês escrevem. E me emocionando com cada mensagem de carinho, de afeto, de amor e de amizade.
Comecei tímida e sem pretensões este espaço. Hoje fico feliz em ver que ele cresce e contagia. Tento não fazer dele um diário. Mas às vêzes não consigo por causa da minha transparência. E já recebi telefonemas de amigas falando. "Sei todos os dias de notícias suas pelo Blog."
O Blog pode virar um pocket no futuro. Digo pode, porque novos projetos estão surgindo. Tenho um desejo ambicioso: que o Blog da Eliane vire um espaço que outras pessoas possam tocar pra frente. Uma herança de alegria. E que continue sempre e para sempre sendo um espaço de cumplicidade, de amizade , de pequenas e grandes vitórias. E que as pessoas se sintam à vontade para escrever o que cabe no coração.
Não ia estourar a champagnhe em respeito ao guerreiro que se foi. Mas pensando bem, ele nunca perdeu a luta. Ele ganhou dois anos a mais. Teve uma segunda chance. E, como eu costumo dizer, nem todos tem. Nem todos. Então um brinde aos guerreiros deste blog que não desistem, um brinde à minha editora que junto comigo constroi e realiza meus sonhos, um brinde a todos aqueles que vibram com minhas pequenas e importantes vitórias e um brinde a esta turma maravilhosa que está aqui todos os dias cedinho e não me deixa cair.
Rumo ao futuro possível e às cinco mil postagens.

"Eu quero durar até que se descubra uma cura." Patrick Swayze


segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Contagem regressiva para o texto de número 1000!



Bom dia amigos. Não importa o quanto foi sofrida esta caminhada de 14 de setembro de 2008 até este 14 de setembro de 2009. Não importa a luta e as grandes decepções. O importante é que estamos aqui juntinhos driblando a dor, os sustos, o inesperado e colocando todos os dias um sorriso nos lábios.
Foi assim que chegamos até aqui e sobrevivi a um ano difícil cheio de surpresas e vendaval.
Hoje estou escrevendo o tópico número 999. É pessoal, desde 2008, quando comecei o nosso Blog, já escrevi todos estes textos. E estamos comemorando. O sucesso da Bienal, o sucesso deste nosso espaço, esta amizade que nos envolve.
E para que falar muito hoje? Como se diz na TV, "uma imagem vale mais que mil palavras." Então aí está. Um brinde a vocês, que alegram este espaço. Um brinde aos autores e editores da Hama.
Ontem ao pisar na Bienal e receber o crachá de" autora", não me contive: elevei os olhos ao céu e agradeci. Mesmo que tenha chegado ali por caminhos tão tortuosos, eu cheguei!
Um grande beijo para todos que encantam este espaço. E tenham fé em seus sonhos. Sempre!
Mas lutem por eles. Não deixem que eles escapem por entre seus dedos.
Bom dia!

sábado, 12 de setembro de 2009

Construa seu final feliz!




Minha priminha Renata é muito engraçada. Não gosta de TV, não gosta de novela, mas quando está pertinho de mim entra na onda e assiste televisão. E o curioso é que se envolve na trama e quer saber em um minuto tudinho que está acontecendo e quem é quem. Nessa sexta, ela preocupada com o meu dia e comigo( como sempre) ligou exatamente na hora que começava o último capítulo de Caminho das Indias, uma história que gostei de assistir.
-"O que vc está fazendo?"
-"Vou começar a ver o último capítulo."
_"Ah por isto que o Leblon está vazio, por isto que o shopping não tem ninguém."
Soltei a maior gargalhada. Ela riu também e disse :
-"Vou ao cinema! Depois você me conta o que aconteceu..."
E o que aconteceu? O que todo mundo sempre espera. Nas novelas e na vida: finais felizes! Para todos.
Eu que não ligo para novela, confesso que esta das oito da noite, da plim plim, me chamou a atenção.
Menos pela trama, mais pelos costumes, cultura, danças e Rodrigo Raj Lombadi, claro, que enfeitou e encantou este blog em alguns tópicos.
Minha priminha perdeu o show que Tony Ramos , o ator, deu. A espetacular atuação de Lima Duarte, o Shankar, e a intensidade do amor de Laura Cardoso diante de seus dois amores.
Todos deram show. Todos os pares da novela construíram um amor lindo. Mas ninguém, nenhum personagem me emocionou tanto -do princípio ao fim- como Lasksmi. Uma mulher que contrariou a família, se apaixonou por outro fora do roteiro da vida, carregou esta dor por toda a sua existência se tornando uma mulher dura, aparentemente fria, exigente e sofrida. Mudou sua história, seu destino e de seu filho. Existem muitas mulheres assim como Laksmi. E existem homens como Shankar. E existem muitos finais para todas as histórias. Cada um do seu jeito.
Bom final de semana. Preciso ligar para Renata e contar sobre o amor de Shankar e Laskmin. E sobre o perdão, e sobre vencer o preconceito e sobre o amor construído.
E vou lembrar a ela que a trama foi escrita por uma guerreira. Uma mulher sofrida que coloca nos capítulos escritos toda sua história, toda sua emoção.
Are Baba!

Copie o endereço e não deixe de ver o show de Tony Ramos, Lima Duarte e Laura Cardoso, Excepcionais.
http://www.youtube.com/watch?v=WB1_-17OjjI

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

As tempestades tem começo, meio e fim


Hoje já é sexta-feira? Nossa, a semana curtinha voou mesmo! E para mim foi intensa. Dá até um friozinho no estomâgo pensar nos próximos acontecimentos: palestras, exames e mais exames e a Bienal. Mas foi uma semana de vitórias e de conquistas importantes.
O susto que minha linda cachorrinha Kinsei me deu tirou o fôlego. Mas sabe aquela coisa que Deus não desampara? Vivi situações pesadas e logo em seguida alegrias e concretização de planos. Sensação estranhíssima. Mas a sexta chegou com Kinkin pulando feliz, a concretização de alguns planos, projetos novos em cima da mesa com a Hama, a conversa solta com meu querido médico Daniel, a expectativa com a Bienal e reportagens sobre os livros. Uma destas reportagens vai ao ar breve no programa Hoje em Dia, da Rede Record, com personagens amados que estão no meu livro "Atraídos pelo amor".
Foi um prazer conhecer a equipe pilotada pela repórter Carolina Souto e pelo cinegrafista Tompson Lee. E foi uma entrevista divertida. Mesmo assim é difícil falar -às vêzes - desta nova história. Mas aprendi ser fundamental passar uma mensagem para quem está com a esperança abalada. Estou orgulhosa. E apesar de muito cansada e com os cabelos em pé( a minha fotógrafa oficial está iniciando no ofício hahahahah), estou contente com a segunda semana de setembro. E vamos seguindo e cumprindo a missão por aqui. Entre canções e superações, laços e nós de amor, driblando a exaustão e encarando e caminhando para o texto de número mil no Blog. Que espetáculo!
Obrigada por manterem meus sonhos de pé, por me enlaçarem todos os dias com este carinho e vamos em frente! Como diz uma das canções escolhidas para "as trilhas da minha vida", coração sempre pronto para recomeçar. Porque até a tempestade tem começo meio e fim.
Aproveitem as canções, cliquem e sonhem nesta sexta.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

O que você prefere: viver juntinho, papel passado ou viver sozinho?





Não é de hoje que muitos casais fazem a opção de não sacrementar a relação deles no papel. Ou sejam, dispensam a cerimônia civil e religiosa e moram juntos até que a morte os separem.
Os motivos são os mais diversos. Tem gente que começa o dia a dia por acaso e vai ficando, vai ficando, quando vê já se passaram anos. Tem outros que fazem a opção por economia. E muitos por que vem de outras relações e não querem passar por outro divórcio, separação de copos e vasos, desgastes em todos os níveis.
Agora os números do último censo do IBGE confirmam: o caminho para a vida a dois passa cada vez menos pelo altar ou pelo cartório. Em 91, 18,3% dos casais brasileiros não tinham se casado no civil. Em 2002, este percentural pulou para 28,3%. Os casais que vivem juntos sem papel passado têm o mesmo nível de compromisso que teriam se fossem casadinhos no papel. Do ponto de vista jurídico, vale o regime de comunhão parcial de bens. E mesmo sem morar na mesma casa, a justiça considera a união estável entre um casal que está juntinho.
Às vêzes o problema é quando uma das partes se considera casada e a outra não.
Na minha família observo que minhas sobrinhas e sobrinhos são casadoiros e adoram um festão e um papel passado. Super conservadores. Segundo soube por amigas, a moda agora é dar festa sem as cerimônias tradicionais.
Bem, casar no papel ou sem papel eu acho uma delícia. As duas formas são maravilhosas na minha opinião experiente (risos). Eu não sou tãaooooo conservadora como os meus pequerruchos, mas acho que ter um par, um parceiro, uma cara metade e construir uma história é sensacional. Quando o par é aquele verdadeiro amor então...
Nem ligo para desgastes do dia dia. Cansa, mas tudo pode ser superado face a delícia de ver o amor chegando para dormir ao seu ladinho.
Quanto à casar no papel...shiiii...aí quero não. Basta uma vez. Será? Risos.
Bom dia queridíssimos e desculpem alguns probleminhas apresentados no Blog hoje. É que nosso espaço está passando por ajustes, correções e a Hama e eu estamos também incluindo novidades. Assim como no casamento, queremos dar um molho a mais para não ficar na mesmice.
Beijos. E vejam : hoje começa a Bienal. Aí no alto, a nossa programação. A Hama já está lá. Com seus autores e todas as publicações! Aguardo vocês e seus amigos para uma visita no nosso estande. Com os pares ou sem eles. Quem sabe lá bienal vai estar o seu par perfeito!

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

É das malvadas que eles gostam mais


Depois da coleção de piadas em homenagem ao Celso, fiquei animada e decidi colocar, nesta quarta, duas postagens. Eu já sei que esta vai bombar mais que a outra. Mas, o assunto é tão bom que não resisti.
Vocês sabiam que é das mulheres malvadas que eles gostam mais? Risos. A conclusão é da escritora americana Sherru Argov. Ela é a autora do livro "Por que os homens se casam com as manipuladoras" e do recém lançado "Por que os homens amam as mulheres poderosas?". Sherru diz que o primeiro passo para conquistar o homem dos seus sonhos é deixar de ser boazinha. Ouviram né?!
Segundo ela, a maioria das mulheres perde a confiança e auto estima quando se apaixona. O medo de desagradar é tanto que ela faz todas as vontades do novo parceiro.
Eu concordo. O problema, na opinião dela, é que nenhum homem quer namorar uma mosca morta. Eles querem mulheres com vontade própria e que têm coragem de dizer o que querem e o que não gostam.
Eu vou ler o livro todinho. Eu já deixei de ser boazinha, mas ainda guardo sintomas hahahahaa.
Hoje é quarta e vai ser um dia e tanto. E aqui no Rio, o calor insuportável continua.
Ah ando procurando um colinho. Leiam o tópico aí embaixo.
Que o dia seja de risos de novo. Risos de felicidade, de bons resultados de exames, risos de
vitória !

Eu agora quero é um colo


Minha terapeuta mais uma vez matou no peito e fêz um gol. Olhou para mim e disse:
"Você está cheia não é?!"
E eu acrescentei.
""Exausta, exausta!" Ela me olhou e acrescentou: -"Precisa de um colo não é?!"
Um colinho? Que maravilha um colinho, ficar quietinha encolhida nos braços de alguém e deixar de decidir tudo.
Não estou falando de mimos. Neste quesito estou bem abastecida por todos vocês. Estou falando de deixar de ficar a frente .
Nem me lembro mais desde quando decido tudo. Aprendi com minha mãe a ser assim. Sempre a frente das decisões. Filha temporão, ela queria que eu sobesse me virar e não dependesse do pai ou irmão se um dia ela faltasse. Deu no que deu: virei uma máquina de tomar decisões. Chega um tempo maduro de sua vida, que você não quer mais estar diante das decisões. Quer apenas relaxar e ficar encolhidinha e pular em um colinho. Chega de tomar tantas decisões. Eu deixo pessoal, eu deixo...vou me permitir daqui pra frente. E cuidado, porque na hora que eu vislumbrar um colinho, vou pular e me aninhar.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

A superação só é possível quando se tem bom humor




Semana curtinha que começa. Este negócio de feriado é uma complicação danada. A gente se perde na orgia gastronômica, relaxa demais e depois é aquela preguiça. Começo agora a contagem regressiva para os muitos acontecimentos que virão. O primeiro deles, a bienal do livro que começa dia 10.
Quero encontrar vocês lá no dia 17, para a gente trocar idéias e somar forças. E rir. Claro porque sem alegria, não há superação.
É como este mês estou fazendo um estoque de momentos ótimos e armazenando risada, aí vai uma piadinha especial para acordar todo mundo. Vamos rir juntos. Estas minhas amigas engraçadinhas...
Aliás, vou fazer o mesmo que o Celso, homem inteligente, breve!
Boa terça, cheio de encontros curativos e auspiciosos para todos.
E desculpem os palavrões, galera. Mas nesta piadinha, cabe! Ah se cabe!

Tem notícias do Celso ?

...você sabe do Celso ?...
- Bom dia, é da recepção? Eu gostaria de falar com alguém que me desse informações sobre um paciente. Queria saber se certa pessoa está melhor ou piorou...
- Qual e o nome do paciente?
- Chama-se Celso e está no quarto 302.
- Um momentinho, vou transferir a ligação para o setor de enfermagem...
- Bom dia, sou a enfermeira Lourdes. O que deseja?

- Gostaria de saber as condições clínicas do paciente Celso do quarto
302, por favor!

- Um minuto, vou localizar o médico de plantão.
- Aqui é o Dr. Carlos plantonista. Em que posso ajudar?

- Olá, doutor. Precisaria que alguém me informasse sobre a saúde do
Celso que está internado há três semanas no quarto 302.

- Ok, meu senhor, vou consultar o prontuário do paciente... Um
instante só!
Hummm! Aqui está: ele se alimentou bem hoje, a pressão arterial e
pulso estão estáveis, responde bem à medicação prescrita e vai ser
retirado do monitor cardíaco até amanhã. Continuando bem, o médico
responsável assinará alta em três dias.


- Ahhhh, Graças a Deus! São notícias maravilhosas! Que alegria!


- Pelo seu entusiasmo, deve ser alguém muito próximo, certamente da família!?


- Não, sou o próprio Celso telefonando aqui do 302!
É que todo mundo entra e sai desta merda deste quarto e
ninguém me diz porra nenhuma.
Eu só queria saber como estou.....


domingo, 6 de setembro de 2009

Independência sempre!


Bom dia queridos. Gostaram do texto de ontem hein?! Lindo mesmo não é?!
Hoje é domingo de feriadão e eu aqui, feliz, com a turma da Tupi.
Minha mensagem de hoje para vocês é simples e direta: independência. Independência nas ações, nas atitudes, nas finanças, nos pensamentos, nos valores, nos sonhos, nos desejos. Independência política e independência na vida. E se toda esta independência puder ser regida por ordem, progresso, felicidade, tanto melhor. Aliás, a independência é o caminho mesmo da liberdade e felicidade!
Saúde turma. Aproveitem o domingo.


sábado, 5 de setembro de 2009

Quem é o seu amante?


Bom dia. A primeira semana de setembro foi como eu imaginei que seria. Recheada de bons acontecimentos e de trabalho. Agora é hora de relaxar um pouco para enfrentar a segunda semana, que será de preparação para Bienal do Livro, no Rio, e tantas outras preparações importantes.
Escolhi para este final de semana, um texto ótimo que recebi de uma querida amiga que fala de como as pessoas "empurram situações com a barriga" e esquecem o que é felicidade.
Foi apropriado porque outro dia ouvi-injustamente- que "ando levando" algumas cositas.
Logo eu que não levo desaforo, que procuro ter ações e decisões sempre concretas, e encaro tudo de frente sem medo!
Não empurro" nadinha de nada com a barriga." Mas acho que a maioria das pessoas empurra sim. Vai levando a vida se escondendo da felicidade.
Então, aí está um texto pra gente refletir "'se estamos realmente levando a vida e empurrando situações com a barriga" ou se apenas estamos sendo o protagonista de nossa própria história.

O texto é uma tradução do original "Hay que buscarse um amante", Jorge Bucay, psicológo.

QUEM É O SEU AMANTE?

Muitas pessoas têm um amante e outras gostariam de ter um. Há também as que não têm, e as que tinham e perderam.

Geralmente, são essas últimas as que vêem ao meu consultório para me contar que estão tristes ou que apresentam sintomas típicos de insônia, apatia, pessimismo, crises de choro, dores etc.

Elas me contam que suas vidas transcorrem de forma monótona e sem perspectivas, que trabalham apenas para sobreviver e que não sabem como ocupar seu tempo livre. Enfim, são várias as maneiras que elas encontram para dizer que estão simplesmente perdendo a esperança.

Antes de me contarem tudo isto, elas já haviam visitado outros consultórios, onde receberam as condolências de um diagnóstico firme: 'Depressão', além da inevitável receita do anti-depressivo do momento.

Assim, após escutá-las atentamente, eu lhes digo que não precisam de nenhum anti-depressivo; digo-lhes que precisam de um AMANTE!

É IMPRESSIONANTE VER A EXPRESSÃO DOS OLHOS DELES AO RECEBEREM O MEU CONSELHO!

Há as que pensam: 'Como é possível que um profissional se atreva a sugerir uma coisa dessas?!' Há também as que, chocadas e escandalizadas, se despedem e não voltam nunca mais.

Àquelas, porém, que decidem ficar e não fogem horrorizadas, eu explico o seguinte: AMANTE é 'aquilo que nos apaixona', é o que toma conta do nosso pensamento antes de pegarmos no sono e é também aquilo que, às vezes, nos impede de dormir.

O nosso AMANTE é aquilo que nos mantém distraídos em relação ao que acontece à nossa volta. É o que nos mostra o sentido e a motivação da vida. Às vezes encontramos o nosso amante em nosso parceiro, outras, em alguém que não é nosso parceiro, mas que nos desperta as maiores paixões e sensações incríveis. Também podemos encontrá-lo na pesquisa científica ou na literatura, na música, na política, no esporte, no trabalho, na necessidade de transcender espiritualmente, na boa mesa, no estudo ou no prazer obsessivo do passatempo predileto...Enfim, é 'alguém' ou 'algo' que nos faz 'namorar' a vida e nos afasta do triste destino de 'ir levando'.

E o que é 'ir levando'? Ir levando é ter medo de viver. É o vigiar a forma como os outros vivem, é o se deixar dominar pela pressão, perambular por consultórios médicos, tomar remédios multicoloridos, afastar-se do que é gratificante, observar decepcionado cada ruga nova que o espelho mostra, é se aborrecer com o calor ou com o frio, com a umidade, com o sol ou com a chuva.

Ir levando é adiar a possibilidade de desfrutar o hoje, fingindo se contentar com a incerta e frágil ilusão de que talvez possamos realizar algo amanhã*.

Por favor, não se contente com 'ir levando'; procure um amante, seja também um amante e um protagonista ... DA SUA VIDA!

Acredite: O trágico não é morrer, afinal, a morte tem boa memória e nunca se esqueceu de ninguém. O trágico é desistir de viver. Por isso, e sem mais delongas, procure um amante ...

A psicologia, após estudar muito sobre o tema, descobriu algo Transcendental:

'PARA SE ESTAR SATISFEITO, ATIVO E SENTIR-SE JOVEM E FELIZ, É PRECISO NAMORAR A VIDA.'







sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Três mulheres e um só assunto: o amor


A noite estava linda. A lua cheia iluminava a mesa, a rua e os pensamentos de três lindas mulheres. Elas chamavam a atenção de todos que entravam no restaurante elegante.
Três gerações diferentes. Três estilos diferente. Três histórias diferentes. E uma ligação: o amor por seus cavalheiros.
A mais jovem, irriquieta e sem papas na língua, tentava convencer uma das amigas de que era necessário se despir de regras e conceitos ridículos e se entregar aquela nova tentativa de ser feliz.
-"É rídiculo estas mulheres que querem a liberdade e a independência e ficam com aquele discurso de liberdade. Dá para equilibrar tudo. Converso com cada uma que conheço e todas terminam no final com a mesma conversinha e desejo: de querer construir um relacionamento. Todas querem isto. Todas nós queremos isto. Anda, liga pra ele, não trata ele sim. Já era esta história de ficar se valorizando, de fingir que não está nem aí. Homem gosta de atenção sim!"
A linda morena, magra e elegante, de cabelos negros olhava timidamente o celular e para as amigas e seus olhos transbordavam medo e insegurança. Medo de entrar novamente em uma fria.
-"E se um dia ele voltar para a ex-mulher? "
A terceira mulher calada até então disse:
-"Pelo menos você tentou,viveu e se deu esta oportunidade."
Ela se animou. E inesperadamente as duas se voltaram com a carga para aquela terceira até então silenciosa e atacaram:
-"E você? Olha que nós vamos lhe dar uma surra, falaram rindo. Homens idiotas, inseguros e mal resolvidos não valem mesmo!"
Ela sorriu, abaixou os olhos e falou baixinho.
-"Meninas, quando o amor não tem os dois lados fica difícil ser feliz. Amor não é teoria. Amor é prática é vivência é mergulhar na vida. Quando se quer muito algo, a reação é outra. É de entrega superando medos. É de espera e confiança. É de compromisso superando a vontade de ser livre. E de enfrentar conceitos próprios, para não perder. Amar não é teoria. É pratica. Vivência. Se um não enfrenta, foi bla bla blá. A sorte é que sempre entra um novo na história que vira tudo de cabeça pra baixo. Esta é a vingança da vida que espero."
As três riram, uma pagou a conta por todas e felizes sairam deixando um perfume doce no ar, alguns olhares para trás e a certeza que vão mergulhar sempre na tentativa de serem felizes.
E viva esta "quadrilha" de mulheres bem resolvidas. Porque elas não comungam mesmo naquela do Drummond.
Hoje é sexta!!!! Lá vem o feriadão!

"João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história"





quinta-feira, 3 de setembro de 2009

O Jornal Nacional de ontem e de hoje



Parece que foi ontem. Mas não foi. De qualquer maneira, eu fiz parte da história. Faz muito tempo, mas não me esqueço. Durante um mês saia diariamente da PUC e seguia para o meu plantão na portaria da Rede Globo, onde aguardava a mulher número 1 do jornalismo de TV me receber. Foi uma longa espera para uma jovem impaciente cursando o quinto periodo de Comunicação. Indicada por um professor generoso, eu tentava não sair do mercado, depois de dois estágios: um no jornal O Globo e outro no Jornal do Commercio dos Diários Associados. Já havia tentado ingressar no JB da época, celeiro dos grandes jornalistas. Mas o que pintou foi a força daquele professor inesquecível, que iria mudar minha história e meu gosto do jornal pela televisão. Um dia, como que por encanto, o telefone da portaria tocou e veio autorização. Era outubro. Subi e sentei diante dela: minha mestra Alice Maria. Comecei no dia seguinte.
Ontem alguém na palestra que fiz me perguntou se eu tinha me arrependido de ter deixado a Globo tão cedo. Arrepender não muda nada na nossa vida, eu disse. O tempo não volta. Quando a gente toma uma decisão perde de um lado e ganha do outro. Todos foram contra a minha saída da Globo na época, e vi que Alice resistia ao aceitar minha demissão. Fui voar - sempre inquieta- por outros caminhos. Não devemos nos arrepender de nada mesmo. As decisões que tomamos são aquelas que se encaixam naquele exato momento emocional da gente. Naquele possível. Sai da palestra tranquila e coerente com que falei, segura de erros e acertos, decisões ou precipitações tomadas, e segui para mais um compromisso. A noite não podia terminar de outra forma. Num encontro entre o passado e o presente com a minha história.
Naquele outubro tive o empurrão do meu professor. E ontem, tive o empurrão da turma mais engraçada do planeta e da minha vizinha do lado de lá da rua, que ficou a semana toda falando "vai vai vai." E eu fui: rever colegas, saborear a história e ver que laços bem amarrados não se desfazem.

Na foto em preto e branco - craques do jornalismo - Alice Maria, Armando Nogueira, Nilson Viana, Luiz Edgar de Andrade, Silvio Julio Nassar, Edson Ribeiro e eu lá -honrosamente entre eles.
E na foto colorida, o editor-chefe e apresentador do JN hoje,William Bonner, autografando seu livro.
Bom dia para todos. Uma quinta-feira cercada de incentivos, empurrões mágicos e histórias bacanas. Vou à praia. beijos.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Alô alô Terezinha ....uuuuuuuuuuuu!


"Boca fechada não entra mosca." Cresci ouvindo minha mãe recitar este ditado. E perguntem se aprendi a lição? Claro que não! Paguei caro muitas vêzes por não ter seguido este conselho. Aqui entre nós, ainda pago. Mas agora conscientemente. É um desastre quando se fala muito. Melhorei, melhorei. Mas tem horas que tenho que soltar o verbo.
Muitas pessoas, a grande maioria, não consegue tal façanha. Se reprimem, se escondem, se fecham. São pessoas reservadas, tímidas, que não gostam e não conseguem falar em público. Mas hoje em dia é uma necessidade profissional e social se expressar. Mas saber o que falar em determinado momento, improvisar, achar um ponto de equilíbrio nas palavras e ficar diante de uma multidão é para poucos.
Herdei este dom de falar em público da minha mãe. Ela queria ser advogada. E meus parentes contam que ela adorava fazer discursos quando era pequena.
Em setembro do ano passado tive a oportunidade de falar para 194 enfermeiras oncológicas de um grande laboratório internacional, em São Paulo. Foi um desafio subir em um palco diante de tantas pessoas especializadas. Esta experiência ( do número) ainda não havia vivido. E foi muito legal. Foi desafiador.
Ao falar em público - tanto faz para dois ou para milhões- você exercita alguns dons e se descobre. Rompe a timidez, o medo, se expõe diante de desconhecidos. Mas é um prazer constatar que você pode enviar uma mensagem, que existem pessoas que precisam e querem ouvir, e que temos sentimentos de dor, amor, compaixão, medos e desafios internos conjuntos.
Neste dia 2 de setembro terei a oportunidade de mais uma vez estar com algumas pessoas para conversar. O público desta vez é bem diferente. São aqueles e aquelas que querem e precisam levar sua mensagem e não conseguem. Profissionais de diversas áreas.
E eu estarei lá, incentiavando-as a mostrar que são capazes de enfrentar um público. É um privilégio mais esta oportunidade.
Fico feliz em ter herdado este dom de minha mãe. Acho que do pai médico professor também.
E ainda bem que não dei muita bola para o ditado da mosca. Também pudera. Cresci vendo o velho Abelardo Barbosa, o Chacrinha, falando o tempo todo: "quem não se comunica, se trumbica."
Bom dia meu amigos. O céu está lindo e o dia promete muitas alegrias.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Setembro! Um novo céu se abrindo...


Ainda faltam alguns dias para a primavera. O friozinho gostoso insiste, mas o céu já está mais azul, a gente já sente o calor do sol mais forte, e as esperanças...ah as esperanças. Sempre vivas, não é?!
Vocês lembram o que fizeram em setembro do ano passado? As expectativas, perspectivas?
Eu me lembro muito bem que recebi um diagnóstico que mudou todos os meses pra frente. Me lembro do meu cansaço e do apoio que recebi. Me lembro das lágrimas de Dr. Daniel e de nossas mãos firmes entrelaçadas. E me lembro de ter dito para ele:-"Não fica assim. Não tenho chances? -"Não não é isto", ele respondeu:-" É que você não merecia mais esta!"
Aqui entre nós, "ninguém merece."
Mas olhei de novo para ele e falei :-"Eu vou lutar. Vamos lutar." Eu tinha um motivo forte para lutar. Sempre tive motivos para lutar.
Hoje acordei pensando se nós tivessemos uma bola de cristal e advinhássemos o futuro? Evitaríamos sofrimentos? Claro que não. E advinhar o futuro faz a vida não ter mistérios.
Existem situações inevitáveis.
Muita coisa mudou de setembro do ano passado até hoje. O tempo voou. A vida está voando. Mas durante um almoço nessa segunda-feira ouvi alguém olhar para mim e profetizar( meu laços andam cheios de profecias): -" O que te parece hoje pode não ser a situação de amanhã."
Melhor não ter bola de cristal.
Não estou falando em metátaforas não pessoal. Estou falando de esperança, de sentimentos, de vida, de um novo setembro. De uma vida que se renova sempre com a proximidade de uma nova estação.
Sei que ainda faltam alguns dias para os jardins e os canteiros das ruas começarem a florir. Mas que olhar a natureza ajuda, lá isto ajuda. Então não resisti e decidi postar uma música maravilhosa cheia dos perfumes das flores de setembro.
Um beijo em todos. As nuvens estão passando, estão passando...E Dr Daniel está animadíssimo neste novo setembro!

Procurem o link, ouçam 'Estão voltando as flores" na voz belíssima de Dalva de Oliveira. Aproveitem este setembro para a gente recordar ano que vem..
http://www.youtube.com/watch?v=RM7nzi59BJ8&feature=related